Costa com João Lourenço: investimentos mútuos são bem-vindos

António Costa reuniu-se a sós com o Presidente angolano, que fez questão de dizer que Angola está de braços abertos para receber investimento português

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou esta terça-feira que os investimentos diretos portugueses em todos os setores em Angola são "bem-vindos" e que Portugal pode assumir um papel relevante no desenvolvimento dos dois países. Já o primeiro-ministro português, António Costa, disse que Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país, salientando que as parcerias económico-financeiras são "entre iguais".

João Lourenço e António Costa tiveram um encontro a sós naquele que é o último dia da visita do líder do governo português a Luanda. Ao intervir antes da reunião, o chefe do Estado angolano salientou que os investimentos na indústria transformadora, com base em matérias-primas e em materiais locais, a agricultura e a agroindústria são fundamentais para o mercado interno e para as exportações angolanas.

"Vemos com bons olhos a implantação de pequenas e médias empresas portuguesas no mercado angolano, dentro de uma lógica em que se estabeleçam no nosso país para produzir riqueza que resulte em benefícios importantes para ambos", destacou João Lourenço.

Nesse sentido, o Presidente angolano, dirigindo-se a António Costa, encorajou-o a sensibilizar os investidores portugueses para aceitarem o desafio, "criando-lhes facilidades por via de linhas de crédito que os ajudariam a realizar negócios em Angola".

"Do nosso lado, estamos a fazer uma aposta decidida na criação de um ambiente de negócios seguro e atrativo, no âmbito do qual os investidores deixam de se confrontar com obstruções resultantes de procedimentos exageradamente burocráticos para estabelecerem uma empresa ou negócio em Angola", sublinhou.

"Encorajo, pois, a mantermos uma linha de diálogo permanente entre nós"

Para João Lourenço, porém, há que ter em conta que, para todos esses objetivos, que "prevaleçam sempre o bom senso, pragmatismo e sentido de Estado", para que as relações entre os dois países saiam "continuamente robustecidas" e possam fazer face, "e vencer" as "visões pessimistas" que, de quando sem quando, se procuram afirmar.

"Encorajo, pois, a mantermos uma linha de diálogo permanente entre nós", recomendou o líder angolano.

O primeiro-ministro, por seu turno, elogiou os progressos registados por Angola no plano da confiança económica, vincou que os investimentos angolanos são "bem-vindos" a Portugal.

"Angola é hoje um país que procura aprofundar um caminho de estabilidade, de abertura e progresso social. É um país que consolida a situação financeira e melhora a atratividade do mercado e o ambiente de negócios junto dos investidores externos", acentuou António Costa no discurso que antecedeu o seu encontro a sós com o Presidente da República de Angola.

Uma das notas centrais do discurso do primeiro-ministro português residiu nas questões da reciprocidade e da igualdade numa relação entre dois Estados soberanos, cujas sociedades estão unidas por "laços históricos e afetivos".

"Quero aqui deixar bem claro que Portugal continua aberto e deseja o aprofundamento da presença de Angola no país"

António Costa frisou então que mais de mil empresas portuguesas de capitais mistos operam em Angola e que mais cinco mil firmas nacionais exportam para o mercado angolano - um dos dez maiores destinos de produtos nacionais.

"Não menos importante é a presença crescente de empresas e investidores angolanos no mercado português. Quero aqui deixar bem claro que Portugal continua aberto e deseja o aprofundamento da presença de Angola no país. Esta é uma parceria entre iguais, em que cada um contribui para a riqueza do outro e em que ambos beneficiam igualmente da relação", salientou o primeiro-ministro.

Garantir uma cooperação sólida

João Lourenço, por outro lado, disse que os acordos que serão assinados entre os dois países, com realce para o programa Estratégico de Cooperação 2018/2022 e a Convenção para eliminar a Dupla Tributação em matéria de impostos e prevenir a fraude e a evasão fiscais, "vão dar certamente solidez e substância" à visita de António Costa.

"Espero que estes instrumentos ajudem a criar sinergias que nos conduzam ao pragmatismo na realização de todos os atos que dão sustentação às relações de cooperação" entre os dois países, frisou.

"Há entre Angola e Portugal uma relação entre dois Estados independentes e soberanos, que respeitam e cujos Governos têm a responsabilidade de traçar políticas que garantam uma cooperação sólida em variados domínios e o estreitamento dos laços de amizade e de cooperação económica", lembrou.

Segundo João Lourenço, Luanda tem consciência de que se impõe a necessidades de se transformar os vastos recursos de que Angola dispõe em "riqueza real", para se garantir o progresso e a melhoria significativa das condições de vida das populações.

Países válvula de segurança

António Costa voltou a referir-se à ideia de válvula de segurança existente entre os dois países, dizendo que os portugueses procuram Angola em situações de crise no seu país, assim como os angolanos contam com Portugal nas suas conjunturas de dificuldade.

"Agradeço a forma como Angola tem acolhido os nacionais e as empresas portuguesas. Nos anos de crise profunda, quando os portugueses precisaram de uma terra para encontrar trabalho, ou poderem investir, encontraram em Angola esse destino. Também quando Angola enfrentou dificuldades as empresas portuguesas não saíram, resistiram e escolheram continuar em Angola os seus projetos", sustentou.

No plano político, Costa agradeceu o apoio dado por Angola às bem sucedidas candidaturas de António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas e de António Vitorino ao lugar de diretor-geral da Organização Internacional das Migrações.

João Lourenço disse que Angola e Portugal, no quadro da CPLP, têm procurado em conjunto desempenhar um papel que contribua para a estabilidade, paz e segurança global

Já João Lourenço destacou que Angola e Portugal, na qualidade de membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), têm procurado em conjunto "desempenhar um papel que contribua para a estabilidade, paz e segurança global".

Nesse quadro, e sobre a Guiné-Bissau, João Lourenço disse haver "sinais bastante encorajadores", levando a pensar que as eleições gerais de novembro serão um "importante fator de consolidação da democracia, de concórdia e de união entre todos os guineenses".

Grande preocupação manifestou João Lourenço em relação a Moçambique, onde, apesar dos resultados "animadores para superar alguns problemas" económicos que o país tem estado a enfrentar, há o "eclodir de algumas ações terroristas localizadas e pontuais contra populações civis".

"Este flagelo dos tempos atuais não só afeta a segurança e estabilidade de Moçambique, como pode representar também um sério perigo em termos de expansão da sua ação para toda a região da África Austral", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.