Novo aviso de Costa aos parceiros da 'geringonça'

Líder socialista volta a lançar recados ao Bloco, PCP e PEV, a propósito da votação do próximo Orçamento do Estado

O secretário-geral do PS advertiu hoje que os portugueses não compreenderiam nem perdoariam se a atual maioria de esquerda "deitasse tudo a perder" no último ano da legislatura por pressa de se chegar às eleições legislativas.

António Costa falava sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2019 numa conferência promovida pela Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS, tendo na primeira fila a ouvi-lo o seu ministro das Finanças, Mário Centeno.

Num recado dirigido aos parceiros da atual solução de Governo, o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV, António Costa declarou: "Depois de termos demonstrado que era mesmo possível romper com a austeridade mantendo o país no euro, que era possível termos o maior crescimento económico desde o princípio o século com a maior redução do desemprego e do défice, os portugueses não compreenderiam e não nos perdoariam se deitássemos tudo a perder neste último ano da legislatura".

Do ponto de vista político, António Costa identificou como problema a evitar "a pressa de chegar às eleições" legislativas.

Uma pressa que "perturbasse aquilo que deve ser feito com calma e serenidade, tal como foi feito nos anos anteriores", disse, aqui numa alusão aos processos negociais que caraterizaram as anteriores viabilizações dos orçamentos do Estado para 2016, 2017 e 2018.

O líder do PS já avisou que o chumbo do OE 2019 conduzirá o país para eleições antecipadas. E também já disse que quem, à esquerda, conduzir a isso, não terá lugar numa nova 'geringonça' após as próximas eleições.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...