Costa avisa: "Todos somos importantes mas o PS é essencial"

Líder do PS encerrou jornadas parlamentares, no Alqueva, pedindo renovação dos acordos à esquerda na próxima legislatura

António Costa quer a 'geringonça' de novo a funcionar na próxima legislatura mas para já, tendo em vista a aprovação do próximo Orçamento do Estado (OE 2019), vai deixando alguns avisos aos parceiros do PS.

"Todos somos importantes mas o PS é essencial para que a geringonça funcione", disse o líder do PS, fortemente aplaudido pelos seus deputados, na sessão de encerramento das jornadas parlamentares, sessão que decorreu na Pousada do Alqueva.

E é "o PS é essencial" - expressão que disse a meio do discurso e que depois repetiu na última frase - porque "só o PS garante o equilíbrio que tem sido a chave da governação". "Esta governação - explicou - não é o negativo da governação da direita. É sim outra governação, que cria emprego e ao mesmo consolida as contas públicas". "É esse equilíbrio que continuaremos a garantir ao país."

Sobre o próximo Orçamento de Estado, Costa garantiu que, como sempre, partirá para as negociações com BE, PCP e PEV "com espírito construtivo", visando "encontrar respostas para as necessidades do pais".

Contudo, deixou um aviso forte - quase ameaça, mesmo - ligando a aprovação do próximo Orçamento ao futuro da 'geringonça" após as próximas eleições legislativas: "É preciso todos atuarmos bem nesta legislatura para todos termos continuidade na proxima legislatura." Assim como quem diz: o parceiro que na votação orçamental não votar a favor ficará de fora de qualquer acordo com o PS no próximo governo. E acrescentando que não perceberá se as escolhas do BE, PCP ou PEV se façam porque se aproximam eleições: "Não será seguramente que por ser ano de eleições que vamos sacrificar a boa governação ao eleitoralismo".

Num típico discurso de uma no cravo e outra na ferradura face aos partidos com quem o PS assinou "posições conjuntas", dramatizou tanto quanto desdramatizou. Fê-lo, por exemplo, dizendo que tem "a certeza" de que "vai ser possível" à esquerda aprovar mais uma proposta orçamental ("não acredito que Bloco, PCP e PEV ponham em causa o sucesso desta solução governativa"). Mas ao mesmo tempo deixou outra pergunta no ar: "Porque é que vamos pôr em causa aquilo que já provamos que é possível?"

Dizendo que a 'geringonça' está "no coração dos portugueses" e que "o país não está à espera nem deseja qualquer mudança", o líder do PS empenhou-se a assegurar que quer na próxima legislatura renovar os acordos que fez com o BE, PCP e PEV.

"Não estamos nem arrependidos nem temos vontade de mudar", "quando se está no bom caminho só há uma coisa a fazer: prosseguir nesse caminho", "quando se está bem acompanhado não se deseja mudar de companhia", foram algumas das frases que proferiu para assegurar que quer continuar a governar em entendimento com os partidos à esquerda do PS.

Costa reforçou a ideia explicando que já a defendia quando foi presidente da câmara de Lisboa - e recordou aqui que o BE alinhou mas o PCP não -, depois quando se candidatou à liderança do PS e mais tarde na campanha das legislativas.

Fê-lo acentuando duas ideias: governações de "bloco central" (PS+PSD) só em "condições excepcionais"; e a aptidão para governar não se pode resumir ao PS, PSD e CDS, tem de abranger todos os partidos parlamentares. "Penso exatamente o mesmo que pensava há muitos anos" e portanto deve ser dada "continuidade" à atual solução governativa.

O chefe do PS aproveitou a oportunidade para sublinhar como hoje o partido olha "tranquilamente" para a preparação da próxima legislatura - por oposição às expetativas negativas que rodeavam o funcionamento dos acordos à esquerda quando estes foram firmados, em 2015.

Em mais um recado à esquerda, explicou que a chave do "sucesso desta legislatura" foi "termos virado a página da austeridade e por causa disso termos cumprido as regras do euro". Agora, disse ainda, a prioridade é o planeamento do futuro, nomeadamente do PNI (Programa Nacional de Investimentos) porque "planear a tempo, decidir a tempo e executar a tempo é uma vantagem".

Estando no Alqueva, mostrou-se esperançoso no futuro do Alentejo, sobretudo porque, numa viagem recente aos EUA, percebeu que há agricultores da Califórnia a pensar em vir para esta região, dada os seus problemas de seca. "Talvez daqui a dez anos não sejamos a Califórnia mas a Califórnia está a vir para o Alentejo", disse, sublinhando que o Alentejo foi sempre "uma região querida para o PS".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."