Convenção PS. Centeno assegura que tempo das derrapagens é passado

Ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo falava na convenção em Lisboa onde os socialistas aprovarão o seu programa eleitoral.

O ministro das Finanças defendeu hoje que o tempo das derrapagens e dos orçamentos retificativos pertence ao passado e considerou que PSD e CDS-PP estiveram na presente legislatura "sozinhos e perdidos nas contas".

Estas críticas aos partidos do anterior Governo foram feitas por Mário Centeno na abertura de um debate sobre "Contas certas", integrado na Convenção Nacional do PS, que decorre no pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, e que se destina a aprovar o programa eleitoral dos socialistas para as legislativas de outubro.

"O tempo dos orçamentos retificativos e das derrapagens orçamentais é hoje passado. Se tivesse de usar um título para um filme do que teria sido esta legislatura para a nossa direita, então eu colocava o seguinte: sozinhos e perdidos nas contas. Foi isso que aconteceu exatamente ao longo da presente legislatura", sustentou.

Pelo contrário, segundo o ministro das Finanças, o Governo do PS apresentou no início da legislatura "um plano - e cumpriu esse plano mês a mês, ano após ano".

"Fizemo-lo porque sabíamos que tínhamos de mudar de políticas. Era crucial para o futuro do país que o Governo, no final de 2015, apresentasse um programa distinto daquilo que tinha acontecido nos últimos anos", advogou.

Em estilo de conclusão, Mário Centeno defendeu que o resultado dessas políticas "trouxe ao país mais emprego, mais riqueza, mais salários".

"São muitos milhares de milhões de salários a mais que hoje são pagos, atualmente, em Portugal face àquilo que acontecia em 2015. Se temos mais emprego, mais rendimento e contas certas, possuímos também por causa disso menos dívida, pagamos muito menos juros do que pagávamos e temos muito menos desemprego. A legislatura que termina é uma legislatura de sucesso nestas áreas", acrescentou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.