Convenção do BE. O PS "vai lançar-se ao Rio?"

José Gusmão diz que o PS "já mostra sinais de arrogância e hostiliza os parceiros"

Foi uma intervenção crítica do PS do princípio ao fim. Apontando a solução política desta legislatura como um "facto novo na nossa democracia", José Gusmão, dirigente do Bloco de Esquerda, subiu ao palco da XI Convenção do partido para questionar a "natureza dessa mudança" para o PS. "Será que rompeu com as políticas de alianças com a direita?" Ou será que a geringonça foi "uma espécie de parêntesis incómodo para chegar ao poder e a que porá fim na primeira oportunidade que tiver", perguntou o bloquista, questionando se os socialistas querem manter-se alinhados à esquerda ou "lançar-se ao Rio", leia-se virar à direita.

José Gusmão sustenta que, se António Costa ainda não deu resposta a esta pergunta, Augusto Santos Silva, o "ideólogo" do governo, já se encarregou de o fazer. "A clareza de Augusto Santos Silva deve ser respeitada: o legado da terceira via de que o PS deve ser portador é inequívoco", afirmou, acrescentando que "o homem que adorava malhar na esquerda quer voltar a fazer o que mais gosta".

Para José Gusmão o PS é "um partido que já mostra sinais de arrogância e hostiliza os parceiros quando ainda tem maioria relativa", o que deixa adivinhar o que será se tiver maioria absoluta. O bloquista avançou com uma solução para isso: "Quem acha que o novo caminho só peca por escasso tem a opção de dar mais força à esquerda que impôs esse caminho". E garante que os bloquistas estão preparados para a responsabilidade: "Estamos prontos para o que é preciso, para o que é urgente, estamos prontos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.