Comandos. Exército exige devolução de verbas caso haja condenação com dolo

19 militares vão ser julgados pela morte de dois recrutas em setembro. Se forem condenados com dolo, o Exército vai exigir a devolução dos gastos

O Exército determinou que os militares condenados por crime doloso passam a devolver as verbas pagas pelo ramo na sua proteção jurídica.

O DN sabe que essa orientação consta de um despacho do chefe do Estado-maior do Exército (CEME), assinado na quarta-feira passada - dois meses e meio após a decisão de levar a julgamento 19 militares comandos pela morte de dois recrutas - e em vigor desde o dia 1 deste mês.

"Nos casos em que seja concedida proteção jurídica e resulte [...] a condenação do militar por crime doloso, cuja decisão tenha transitado em julgado, o Exército exerce o direito de regresso relativamente às quantias que tenha pago" para esse efeito, indica o despacho do CEME, general Rovisco Duarte.

Esta posição vai mais longe do que o Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR), o qual apenas diz que "as Forças Armadas podem exercer o direito de regresso" dessas verbas, como refere o próprio despacho do CEME.

O documento adianta que as posições assumidas "diversas vezes" pelo Supremo Tribunal Administrativo e pelo Tribunal da Relação de Guimarães (este em 2004), sobre esse direito dos militares a receber proteção jurídica dos respetivos ramos, tornaram "necessário estabelecer os procedimentos necessários para assegurar a efetivação" daquele direito

Em pano de fundo está o caso dos 19 militares comandos que vão a julgamento pela morte de dois recrutas no curso da especialidade em setembro de 2016 - cujo apoio financeiro para custear as respetivas despesas judiciais tem sido obtido através de uma petição lançada pela Associação dos Oficiais das Forças Armadas (AOFA), dada a recusa do Exército em prestar-lhes ajuda até ao momento.

Dois dias após assinar aquele despacho, o CEME anunciou no Regimento de Comandos que o Exército iria definir esta semana as modalidades de prestação de apoio judiciário e consulta jurídica aos militares do ramo.

Uma dessas regras é que o Exército "fica excluído" de pagar "quaisquer encargos" com advogados escolhidos pelos militares envolvidos em processos judiciais e desde que esteja em causa a "defesa dos seus direitos e do seu bom nome e reputação, sempre que sejam afetados por causa de serviço que prestem às Forças Armadas ou no âmbito destas".

Citado pela Lusa no discurso da cerimónia de aniversário daquele regimento no quartel da Carregueira (Sintra), Rovisco Duarte considerou o novo regime como "mais favorável" aos militares e remeteu também para esta semana a resposta a dar aos Comandos que requereram o direito à proteção jurídica por parte do ramo naquele processo.

Note-se que o Tribunal Central Criminal de Lisboa marcou, há cerca de três semanas, o início do julgamento dos 19 militares Comandos para o próximo dia 27 de setembro.

Além das consultas jurídicas e das diligências extrajudiciais daí decorrentes, o apoio judiciário a dar pelo Exército envolve a contratação de advogados e a dispensa do pagamento de custas processuais e outras despesas inerentes ao processo judicial (exceto multas e outras penalidades).

Segundo dados da AOFA relativos a segunda-feira, a "conta solidária" criada pela associação já recolheu 10 403,66 euros para ajudar os militares a pagar faturas no montante de 13 664,71 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)