César pressiona Governo para investimentos em Beja

Deputados do PS iniciaram hoje dois dias de jornadas parlamentares em Beja e Évora. Carlos César encontrou-se com dirigentes do movimento "Beja Merece Mais"

O grupo parlamentar do PS vai pressionar o Governo para que lance, "ainda este ano", o concurso para a electrificação da linha férrea que serve Beja

A promessa foi hoje feita pelo líder parlamentar do partido, Carlos César, depois de uma reunião com o presidente da câmara de Beja, Paulo Arsénio (eleito pelo PS), reunião onde também participaram representantes do movimento "Beja merece mais".

Carlos César admitiu que o Alentejo "tem sido sempre colocado em segundo plano" mas fê-lo sublinhando ao mesmo tempo os pergaminhos do PS na conclusão de obras como a barragem do Alqueva - um investimento que já vai em 2400 milhões de euros - ou o aeroporto de Beja.

Ou seja: "Com o PS pode haver uma luz e uma esperança" para as regiões que se confrontam de forma mais acentuada com os problemas da desertificação e da interioridade.

Segundo o líder parlamentar do PS, agora a bancada irá pressionar também o Governo para incluir o distrito de Beja nas obras que vierem a ser previstas no Plano Nacional de Investimentos (o plano que enquadrará as receitas do próximo quadro comunitário de apoio).

"Viemos para aprender e apreender. Saímos daqui com a convição do que é prioritário", afirmou César - que antes do encontro no município bejense havia visitado a sede da EDIA (Empresa de Desenvolvimento e Infra Estruturas do Alqueva).

Questionado sobre a presença de ministros a acompanhá-lo, foi categórico: "Não viemos para nos encontramos com senhores ministros mas com os alentejanos".

As jornadas parlamentares do PS terminarão amanhã cabendo a António Costa o discurso de encerramento.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.