César pressiona Governo para investimentos em Beja

Deputados do PS iniciaram hoje dois dias de jornadas parlamentares em Beja e Évora. Carlos César encontrou-se com dirigentes do movimento "Beja Merece Mais"

O grupo parlamentar do PS vai pressionar o Governo para que lance, "ainda este ano", o concurso para a electrificação da linha férrea que serve Beja

A promessa foi hoje feita pelo líder parlamentar do partido, Carlos César, depois de uma reunião com o presidente da câmara de Beja, Paulo Arsénio (eleito pelo PS), reunião onde também participaram representantes do movimento "Beja merece mais".

Carlos César admitiu que o Alentejo "tem sido sempre colocado em segundo plano" mas fê-lo sublinhando ao mesmo tempo os pergaminhos do PS na conclusão de obras como a barragem do Alqueva - um investimento que já vai em 2400 milhões de euros - ou o aeroporto de Beja.

Ou seja: "Com o PS pode haver uma luz e uma esperança" para as regiões que se confrontam de forma mais acentuada com os problemas da desertificação e da interioridade.

Segundo o líder parlamentar do PS, agora a bancada irá pressionar também o Governo para incluir o distrito de Beja nas obras que vierem a ser previstas no Plano Nacional de Investimentos (o plano que enquadrará as receitas do próximo quadro comunitário de apoio).

"Viemos para aprender e apreender. Saímos daqui com a convição do que é prioritário", afirmou César - que antes do encontro no município bejense havia visitado a sede da EDIA (Empresa de Desenvolvimento e Infra Estruturas do Alqueva).

Questionado sobre a presença de ministros a acompanhá-lo, foi categórico: "Não viemos para nos encontramos com senhores ministros mas com os alentejanos".

As jornadas parlamentares do PS terminarão amanhã cabendo a António Costa o discurso de encerramento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.