César desabafa: PS teve de trabalhar "às vezes muito penosamente" com PCP e BE

Desabafo de Carlos César foi feito num discurso num jantar com militantes, em Alpalhão, Nisa, na abertura das jornadas de proximidade em Portalegre, e a pouco meses do fim da legislatura.

O líder parlamentar do PS admitiu este domingo que, desde 2015, os socialistas tiveram de "trabalhar o dobro" e "muito penosamente" com aqueles que "dizem apoiar" o Governo, mas disse estar "muito orgulhoso" com os resultados.

O desabafo de Carlos César foi feito num discurso num jantar com militantes, em Alpalhão, Nisa, na abertura das jornadas de proximidade em Portalegre, e a pouco meses do fim da legislatura.

O balanço da legislatura, em que o Governo minoritário do PS teve o apoio da esquerda parlamentar, foi feito por César com palavras duras, tanto para a direita, PSD e CDS, como com críticas indiretas aos parceiros da esquerda, PCP, BE e PEV, que nunca mencionou abertamente.

"Foi uma legislatura trabalhosa por que contamos com a negação da oposição e a negação da posição. Perceberam...", afirmou o líder parlamentar e presidente do PS no seu discurso.

Depois, explicou os motivos de tanto trabalho nos últimos quase quatro anos.

"Tivemos o dobro do trabalho, porque tivemos que trabalhar, como é nossa obrigação, com aqueles que se nos opõem e tivemos que trabalhar, às vezes muito penosamente, com aqueles que nos dizem apoiar", acrescentou, para logo fazer subir o tom de voz e dizer que os socialistas estão "muito orgulhosos" do trabalho do Governo.

Carlos César não deu uma resposta direta ao PSD e ao Bloco de Esquerda, que colocaram na agenda política e mediática as relações familiares entre membros do Governo, como é o caso, por exemplo, dos ministros Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino (marido e mulher) e José Vieira da Silva e Mariana Vieira da Silva (pai e filha).

No sábado, em entrevista à Lusa, o cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, defendeu que o Presidente da República já devia ter avisado o primeiro-ministro para não repetir o que chama de "promiscuidades familiares" no Governo.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, aconselhou hoje o Governo e o Partido Socialista a refletirem sobre a prática de ocupação de cargos públicos por "pessoas com muitas afinidades".

Em Portalegre, o presidente dos socialistas pediu aos militantes que "não se perturbem com os ataques" que "são feitos" aos socialistas, "vindos de todos os lados, como é próprio de um tempo pré-eleitoral".

Todos significa "jovens, mulheres, homens, casais e famílias", porque "os socialistas quando vão a um comício, só para dizer que não trazem as famílias, não deixam a mulher ou o homem em casa" e "vêm todos", disse o líder da bancada socialista, causando alguns sorrisos na sala.