Cecília Meireles. Uma tarde na conserveira que ainda vive um caso de amor

Uma fábrica de conserva de sardinhas, lares, hospitais, bombeiros, escolas, SEF, teatros, e até um arraial. O contacto dos deputados com o eleitorado é diversificado. Vão para ouvir e perceber o que podem fazer no Parlamento. O DN acompanhou cinco deputados nos círculos por que foram eleitos e conta o que viu e ouviu

Depois do almoço, as trabalhadoras já estão no processo de enlatar as sardinhas: colocam nas latas camas de legumes ou molho de tomate, conforme a receita. Outras cortam o peixe à medida para que caiba na lata - e fazem-no sem olhar, mas a métrica bate certinha, algumas já levam 20, 30, 40 anos disto e fariam o trabalho de olhos fechados, com a garantia de que nunca passará uma sardinha moída ou em más condições. Desde que chega da lota até à lata não passam mais de oito horas.

Nesta tarde de 11 junho, a conserveira Pinhais, em Matosinhos, no distrito do Porto, está em plena laboração. Hoje recebe a visita da deputada do CDS Cecília Meireles, que ali se desloca no âmbito das suas competências enquanto eleita pelo círculo do Porto, o denominado "contacto com o eleitorado" para o qual o Parlamento reserva geralmente as segundas-feiras. Uma forma de os deputados descobrirem no terreno, em contacto com instituições e entidades locais, o que vai mal, as consequências de determinadas leis e que tipo de iniciativas podem tomar para resolver as questões, seja através de iniciativas legislativas seja de perguntas ao governo.

Neste caso, Cecília Meireles não recebeu muitas queixas de quem a acolheu. "Também temos de mostrar os bons exemplos", diria no final da visita. Ali encontrou um processo de produção manual igual ao de 1920, quando a empresa foi fundada, como se andássemos para trás numa máquina do tempo. Essa é a filosofia do negócio, que exporta 90% da produção, tendo como principais destinos a Dinamarca, a Itália e o Japão. O que fica por cá só se encontra em lojas gourmet, como por exemplo no El Corte Inglés. "O nosso produto é único, não há duas latas iguais, por isso é mais caro, como qualquer produto artesanal", explica Nuno Rocha, diretor comercial da conserveira de Matosinhos. É um negócio de nicho, até porque o processo de produção implica uma capacidade limitada - 3,5 milhões de latas por ano.

Romance no design?

Até o design das latas se mantém. A embalagem da marca Nuri é a mesma desde 1934. Mas o nome tem vindo ao longo de décadas a alimentar especulações. Teria, em tempos, havido uma paixão por uma Núria? Quem defende esta versão consegue ver um A de amor no N de Núria. A outra versão é menos romântica, logo menos interessante: nuri será uma palavra magrebina que significa brilhante, luz.

Um caso de resistência em Matosinhos, onde noutros tempos chegou a existir cerca de meia centena de conserveiras. Nuno Rocha considera que a estratégia de baixar preços levou também à baixa de qualidade e que por isso perderam para a forte concorrência do Sudeste Asiático. "As quotas para a pesca impostas pela União Europeia foram a machadada final."

Cecília Meireles visitou a Pinhais num dia de festa - Fernanda Barbosa fazia 65 anos e nesse dia, ao fim de 43, deixaria de ali trabalhar. Ia para a reforma. Houve bolo, Parabéns, "...e quem não salta!", abraços e lágrimas. Afinal, foi uma vida na conserveira, a dela e a de muitas outras - hoje são cerca de 90 na produção. Ali casaram, tiveram filhos, netos, amadureceram e envelheceram e viram as suas mãos ficar defeituosas de tanto manejarem a sardinha. "É muito amor, muita amizade. Vou ter saudades."

O lar que continua à espera de apoios

Na sala de convívio, Maria da Conceição, 77 anos, divide-se entre atenção aos trabalhos manuais e as recordações. Mesmo que o corpo lhe tenha rejeitado as gravidezes e o destino lhe tenha trazido a viuvez aos 38 anos, não se queixa. Criou uma menina que hoje vive no estrangeiro e é psicóloga, a "sua" filha. "Tive uma vida bonita!" No Centro de Dia e Lar de Idosos Padre Américo, em Paço do Sousa, Penafiel, é quase hora de almoço, as funcionárias vão colocando nas mesas os medicamentos de cada utente, um processo meticuloso que já passou pela enfermaria.

No dia em que terão a companhia da deputada democrata-cristã ao almoço, a ementa é um cozido à portuguesa, com muita carne branca. Antes de Matosinhos, Cecília Meireles visitou a instituição, que funciona desde setembro do ano passado, com ótimas condições, mas que continua à espera de acordos com a Segurança Social. E aqui, como não podia deixar de ser, Cecília Meireles ouviu queixas e concordou que não faz sentido a espera que impede idosos de usufruir deste serviço. Prometeu mesmo que irá fazer uma pergunta ao ministro Vieira da Silva.

À entrada do lar, um edifício moderno com vidraças que traz a paisagem magnífica para dentro de casa, vê-se uma árvore desenhada na parede com a foto da família que ali está, desde utentes a trabalhadores da instituição. E ganha força a frase: "A família é como uma árvore, todos crescemos em diferentes direções, mas a nossa raiz continua a ser a mesma."

O que é que se pode esperar de um governo cuja palavra de ordem é a cativação?

Uma família que os responsáveis do lar gostavam de ver crescer, porque ainda não está esgotada a capacidade. As contas fazem-se assim: 17 idosos a residirem, entre os quais dois casais, nove no centro de dia e sete apoios domiciliários. O lar tem capacidade para acolher em permanência 28 pessoas, mas uma vez que ainda não tem acordos com a Segurança Social, cobra entre 1100 e 1200 euros por utente.

Uma situação que António Costa, presidente da Associação de Desenvolvimento da Vila de Paço de Sousa, que gere o lar, considera inaceitável, pois há uma extensa lista de pessoas que não têm possibilidades de pagar este valor, ao mesmo tempo que poderia baixar as mensalidade atuais. O atraso nos apoios do Estado estarão relacionados com a derrapagem nos prazos de entrada em funcionamento, por causa da falência do construtor. Mas há quase ano que estão de portas abertas e nada. "O que é que se pode esperar de um governo cuja palavra de ordem é a cativação?", questiona António Costa.

Agora, candidatou-se a fornecer refeições escolares. Afinal, seria uma forma de rentabilizar a cozinha e o quadro de funcionários - 15, mais os quatro voluntários que integram a direção. Lá dentro vivem em permanência apenas 17 idosos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.