CDS quer ouvir com "urgência" Eduardo Cabrita sobre a regionalização

Centristas pedem para o ministro da Administração Interna esclarecer no Parlamento os motivos para o "atraso na concretização da descentralização".

O partido de Assunção Cristas quer que Eduardo Cabrita explique aos deputados o motivo pelo qual ainda não são conhecidos os decretos setoriais sobre as competências a transferir, a entrada em vigor dos mesmos, os serviços a manter e a eliminar e os recursos financeiros.

No requerimento entregue na Assembleia da República, o CDS frisa que "é favorável ao processo de descentralização de competências para as autarquias locais, desde que sejam assegurados todos os meios técnicos, com pessoal e de financiamento". Mas, refere o partido, "este processo tem sido desenvolvido a conta-gotas pelo Governo, com avanços e recuos, e sem ter sido precedido de uma análise e estudos profundos que uma reforma desta natureza não poderia deixar de suscitar".

Recorda-se ainda que, no passado dia 18 de julho, a Assembleia da República aprovou, com os votos favoráveis do PS e PSD, a lei-quadro da descentralização, bem como as alterações à Lei das Finanças Locais." Aqueles diplomas, conforme o CDS alertou, foram aprovados de forma apressada e irresponsável, apenas como resultado de um acordo estabelecido entre PSD e PS", argumentam os centristas.

Apesar de estipulado por lei que os municípios poderão rejeitar os novos encargos até 2021, o CDS frisa que as autarquias locais e as comunidades intermunicipais teriam menos de um mês para analisar, reunir os respetivos órgãos deliberativos e decidir quanto às competências a transferir em 2019 e que seriam necessário estarem aprovados os respetivos decretos setorais relativamente às áreas a transferir." Acontece que, do que é conhecimento público, tais decretos setoriais ainda não foram aprovados pelo Governo, sendo que já foi anunciado que o prazo de 15 de setembro, estipulado na lei, irá ser prorrogado", diz o CDS. E acrescenta: "É fundamental que o Governo esclareça se estamos perante uma descentralização do poder de decisão, ou perante a mera transformação das Câmaras Municipais em serviços de manutenção local ou tarefeiros de direções gerais e de institutos públicos".

O CDS frisa ainda que vários autarcas e vários municípios têm vindo a tecer críticas muito sérias a todo este processo, quer do ponto de vista dos meios a transferir, quer sobretudo das competências e da forma que poderão ser exercidos.

Um dos últimos a considerar "miserável" o acordo estabelecido entre o PS e o PSD para a descentralização foi o presidente da Câmara do Porto. Rui Moreira anunciou, em declarações ao Expresso, que não irá aceitar novas competências. Em resposta, o social-democrata Álvaro Amaro, que negociou pelo PSD o acordo, considerou que "miserável é a ignorância" e lembrou que as autarquias têm a prerrogativa de não aceitar a transferência de competências até às próximas eleições autárquicas.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.