CDS pede reunião urgente da Comissão Permanente do Parlamento

Centristas querem antecipação para a próxima semana da reunião que já estava marcada para 6 de setembro. Tema: o "colapso no transporte ferroviário"

Na sequências de iniciativas desencadeadas hoje por vários dirigentes do partido, que percorreram vários itinerários do país, o CDS exige uma reunião na próxima semana da Comissão Permanente da Assembleia da República (AR). A Comissão Permanente é uma espécie de versão reduzida do plenário, que reúne quanto este está, como agora, de férias.

Numa carta ao presidente da AR, Ferro Rodrigues, o líder da bancada centrista, Nuno Magalhães, pediu-lhe que "se digne dar início às diligências necessárias para a antecipação da Comissão Permanente para a próxima semana, designadamente, convocando a conferência de líderes para esse efeito".

O CDS diz que há uma "crítica generalizada ao colapso no transporte ferroviário", acusa o Governo de não dar uma "resposta cabal" às preocupações existentes, concluindo que "a situação é grave, séria e prejudica diariamente muitos milhares de portugueses".

Recorda ao mesmo tempo que já conseguiu fazer aprovar na AR várias resoluções "com vista à recuperação de linhas específicas" mas sem que estas "até à data estas tivessem produzido qualquer efeito" na atitude governamental.

Hoje vários dirigentes do partido - começando pela líder, Assunção Cristas - viajaram em comboios da CP de norte a sul do país, "ouvindo os utentes e denunciando o investimento público mais baixo de sempre na ferrovia, em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.