CDS defende ponte aérea e benefício no IRS para emigrantes na Venezuela

Marcelo pediu que os partidos evitem "berrar" sobre a Venezuela e apelou a que o tem não seja usado em campanha. Mas o CDS avança com propostas de "emergência" para os que queiram regressar a Portugal. E defende descida do IRS também para estes emigrantes.

Os centristas entregaram no Parlamento um projeto de resolução, ou seja uma recomendação ao governo, para que seja criado um plano de emergência de apoio aos portugueses e lusodescendentes "que por força do agravamento das circunstâncias sociais e económicas naquele país, regressem ao território nacional".

O partido anuncia que vai propor um debate sobre a matéria no reinício dos trabalhos parlamentares, ainda no mês de setembro. Entre as propostas que o CDS irá apresentar, está a da criação de uma ponte aérea, garantindo o regresso a todos os portugueses e lusodescendentes que queiram vir para Portugal. Estas viagens, sem custos iniciais, deverão, segundo os centristas, ser reembolsada num prazo razoável de 3 a 5 anos.

O partido de Assunção Cristas quer também a agilização dos processos de nacionalidade; e tratamento fiscal no mínimo igual ao que foi recentemente anunciado pelo governo relativamente aos nossos emigrantes que saíram nos últimos anos (um corte de 50% na taxa de IRS); garantia de equivalência automática em matéria de formação escolar e académica: e concessão imediata de autorização de residência e trabalho para os que cumpram os requisitos legais.

O CDS lembra, no texto da resolução, que os acontecimentos recentes e" o verdadeiro êxodo de venezuelanos para países vizinhos", designadamente Colômbia, Chile, Equador ou Brasil, "denotam já sinais de dificuldade e de tensão na receção daqueles que, neste êxodo, se veem numa situação equiparável aos refugiados que demandam a Europa, fugindo de cenários de guerra".

Pelo que Portugal, "tem em relação a estes cidadãos uma obrigação de especial responsabilidade (tratam-se de portugueses ou lusodescendentes) e uma proximidade que constitui para nós todos, enquanto Nação, uma incontornável obrigação moral".

Os centristas recordam que apresentaram um plano de apoio a estes portugueses que foi rejeitado em plenário em janeiro deste ano. Plano esse que reformulam agora dada o agravamento da situação de crise na Venezuela. É pedido ainda ao governo que reavalie o reforço dos apoios sociais às famílias em situação económica difícil que demandem o nosso país: e o reforço de apoio em medicamentos em Portugal e na Venezuela para os que se encontrem em situações críticas, nunca inferior a 2 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.