CDS contra projeto-lei que coloca Soares no Panteão

"A proposta padece de algo que não merece a nossa concordância de princípio", declarou Nuno Magalhães, líder parlamentar dos centristas.

O projeto-lei do PS e do PSD que concede honras de Panteão Nacional a todos os ex-Presidentes da República dois anos após a sua morte merece "dúvidas, para não dizer reservas" do CDS-PP.

Falando esta manhã no Fórum da TSF, Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP, disse que estas honras deveriam ser, como atualmente, determinadas pela "relevância dos feitos em nome de Portugal que certa individualidade fez", e não em função do "cargo que desempenhou". Está a criar-se um "privilégio para os chefes de Estado."

Para o deputado, o projeto, apesar de estar desenhado para ex-Presidentes falecidos, visa no entanto apenas um "caso concreto", o de Mário Soares - ou seja, é uma lei "feita à medida".

"Não está em causa a pessoa de Mário Soares, que, indiscutivelmente, teve um percurso marcante e relevante nos últimos 50 anos da história de Portugal (nas coisas boas e nas coisas más); está, sim, em causa o princípio", justificou.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.