Catarina Martins assume "erro de análise da direção" do BE sobre caso de Robles

A coordenadora bloquista assumiu que "houve um erro de análise da direção política do BE" sobre o caso de Ricardo Robles, uma vez que a contradição criaria um "entrave quotidiano" ao trabalho como vereador em Lisboa.

Em entrevista à RTP3, esta terça-feira, Catarina Martins foi questionada sobre o caso de Ricardo Robles, que renunciou segunda-feira ao lugar de vereador da Câmara de Lisboa na sequência de uma notícia segundo a qual, em 2014, o autarca adquiriu um prédio em Alfama por 347 mil euros, que foi reabilitado e posto à venda em 2017, avaliado em 5,7 milhões de euros.
"É preciso compreender também - e essa parte cabe-me a mim assumir - que houve um erro de análise da direção política do BE e esse deve ser assumido também", admitiu a líder bloquista.
De acordo com Catarina Martins, "reconhecendo o erro" de ter havido intenção de vender o imóvel, mas também tendo em conta o "trabalho extraordinário" desenvolvido por Ricardo Robles como vereador, a direção do partido entendeu que "o essencial era que ele prestasse todos os esclarecimentos e que isso seria condição para ele manter o seu trabalho".
"Esse revelou-se um erro de análise e cabe-me a mim reconhecê-lo porque, de facto, a contradição era grande, porque de facto não foi possível explicar e porque isso criava um entrave quotidiano no trabalho do próprio Ricardo na autarquia", assumiu.
A avaliação que a direção do BE fez na sexta-feira em que o caso foi conhecido foi de que "esse erro deveria ser explicado porque já tinha sido travado" e que Ricardo Robles "se tinha comportado de uma forma irrepreensível com os seus inquilinos, não tinha usufruído do seu cargo para a sua vida particular e tinha travado o negócio que era contrário" aquilo que é defendido pelo partido.
Numa nota enviada à agência Lusa na noite de sexta-feira, a comissão política do BE defendeu que a conduta do até então vereador "em nada diminuía a sua legitimidade na defesa das políticas públicas que tem proposto e que continuará a propor".
Questionada sobre quando tinha tido conhecimento deste imóvel, Catarina Martins respondeu que nunca tinha falado sobre este tema com Ricardo Robles e que não sabia desta situação.
Para a líder bloquista, "é verdade que havia explicações para dar e não havia condições para as dar", mantendo "a indignação com notícias falsas" que surgiram - apesar do "enorme respeito pelo jornalismo de investigação e pelo escrutínio -, atribuindo-as "a uma agenda política".
"Temos tido uma direita que não tendo programa político, tem vivido de casos. Vive de criar casos. E o problema não é o Ricardo Robles, o problema não é o Bloco, o problema é uma direita que precisa desses casos e é também um ataque que essa direita faz", acusou.
Catarina Martins foi perentória: "tenho a certeza que há muitos interesses que se movem para adiar o máximo possível a entrada em vigor da lei que altera o direito de preferência dando mais poderes aos inquilinos".
Sobre a questão interna do partido e questionada sobre as declarações do fundador do BE Luís Fazenda, que na segunda-feira afirmou ao jornal i que seria necessário "tirar conclusões" de uma situação que é condenável do ponto de vista dos bloquistas, a líder bloquista considerou que "houve uma interpretação abusiva" destas declarações, uma vez que o dirigente "tem tido, como toda a direção, uma posição solidária, de debate muito franco".
"Tendo nós opiniões diferentes, os comunicados foram aprovados por 90% da Comissão Política do BE. Existe uma moção minoritária do BE que tem sido, de uma forma coerente, contra os acordos. A sua posição foi coerente com a posição que tem feito sempre", explicou.
Já em relação à posição assumida pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que garantiu ter a "consciência tranquila" com a sua forma de fazer política, sem se servir a si próprio, ao comentar os riscos de casos como o do bloquista Ricardo Robles, Catarina Martins disse apenas: "estou certa que essa frase é absolutamente verdadeira, como sei que Jerónimo de Sousa sabe que também se aplica aos dirigentes do BE".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.