Carlos César acusa Cavaco de "devassa" e "falta de sentido de Estado"

Carlos César criticou Cavaco Silva pelo que conta no livro Quintas-feiras e outros dias. Considera-o uma "devassa" e "delação", que não se esperaria de um presidente da República. Mas já o esperava deste ex-Presidente

Carlos César começou por lamentar falar assim de um antigo Presidente da República, mas "a conduta do professor Cavaco Silva depois de ter saído da Presidência, tem sido frequentemente eivada de uma infeliz falta de Estado", justificou.

O líder da bancada parlamentar do PS falava no comentário habitual da SIC, às terças-feiras, onde está acompanhado de Santana Lopes.

César lembrou o comentário que Cavaco Silva teceu sobre Marcelo Rebelo de Sousa, revelando uma atitude que "volta de forma frequentemente inconcebível a zurzir sobre o caráter e personalidade de pessoas com quem privou no exercício da mais alta magistratura da Nação". Cargo de quem não se esperaria referir a essas pessoas com adjetivos como "irresponsável, trivial, medroso, com problemas existenciais", etc.

Uma atitude que o leva a questionar se, quando estava na presidência, Cavaco não pretendia já angariar material para futuras publicações editoriais.

Criticou também a forma como Cavaco Silva se refere a acordos entre os partidos políticos, caracterizando-os nomeadamente de "envergonhados", "sem dignidade", quando, no entender do socialista, "foram esses acordos que trouxeram dignidade às famílias e às pessoas".

Considera que o comportamento de Cavaco Silva "é devassa e delação presidencial", algo que "nunca se esperaria ser feito por um presidente", mas que acaba por não surpreender Carlos César, nomeadamente depois do primeiro volume da Quintas-feiras e outros dias, publicado no ano passado. O segundo volume será lançado esta quinta-feira.

Exclusivos