Câmara quer promover turismo na Praça de Espanha/Gulbenkian e Campo Grande/Lumiar

Objetivo passa por dispersar o turismo por toda a cidade e área metropolitana de Lisboa

A Câmara de Lisboa quer dispersar os fluxos turísticos pela cidade, e aposta no eixo Praça de Espanha/Fundação Gulbenkian, o núcleo museológico do Campo Grande/Paço do Lumiar e a zona que integra a Feira Popular na Pontinha.

"Melhorar a atratividade de novos polos de atração turística na cidade fora do centro histórico e da zona monumental de Belém" é o objetivo enunciado pela autarquia num documento intitulado "Visão Estratégica para o Ordenamento Urbanístico do Turismo em Lisboa", a que o DN teve acesso, um dos relatórios que o executivo camarário vai levar à reunião do próximo dia 25, em que serão votadas as novas zonas de contenção ao alojamento local na cidade, que vão abranger o Castelo, Alfama e Mouraria, bem como o Bairro Alto e Madragoa.

No documento, a autarquia enuncia um "conjunto de políticas públicas" com vista a adaptar a cidade à nova realidade - o peso crescente do turismo -, entre os quais inclui "defender o stock de habitação permanente", "limitar a instalação de novos estabelecimentos turísticos nos bairros onde a sua presença já tem um peso excessivo em relação à residência total disponível" ou "proteger o caráter dos bairros da gentrificação, favorecendo o arrendamento acessível de
iniciativa municipal e defendendo o comércio de bairro".

A autarquia lisboeta enuncia também o propósito de "incentivar a dispersão do turismo por todo o território metropolitano com visitas às praias da Caparica e da Linha de Cascais, à Reserva do Estuário do Tejo e aos parques naturais de Sintra, Cascais, Arrábida e Estuário do Sado". E "dinamizar o Estuário do Tejo como grande espaço natural em torno do qual se organiza a Área Metropolitana de Lisboa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.