Câmara de Lisboa vai atribuir chave da cidade ao Presidente de Angola

A proposta contou com a abstenção do BE e os votos favoráveis do PS, PSD, CDS-PP e PCP.

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou esta quinta-feira, em reunião privada do executivo, a atribuição da chave da cidade ao Presidente de Angola, João Lourenço, por altura da visita de três dias que fará, na próxima semana, a Portugal.

A proposta contou com a abstenção do BE e os votos favoráveis do PS, PSD, CDS-PP e PCP.

O documento, assinado pelo presidente da câmara da capital portuguesa, Fernando Medina (PS), prevê a atribuição da Chave de Honra da cidade de Lisboa ao chefe de Estado angolano, e sublinha que a passagem de João Lourenço pelos Paços do Concelho "muito dignifica e honra o município, a cidade e os seus habitantes".

O Presidente de Angola realiza entre 22 e 24 de novembro uma visita a Portugal, que inclui no primeiro dia uma sessão no parlamento e uma cerimónia nos Jerónimos.

A Assembleia da República realiza, em 22 de novembro, uma sessão de boas vindas ao Presidente de Angola, na qual João Lourenço fará um discurso aos deputados portugueses.

No mesmo dia, o Presidente de Angola será recebido nos Paços do Concelho de Lisboa, refere a proposta à qual a Lusa teve acesso.

Antes disso, João Lourenço irá estar no Mosteiro dos Jerónimos, onde irá colocar uma coroa de flores, disse fonte oficial angolana.

A proposta, que foi aprovada hoje pelos vereadores da Câmara de Lisboa, lembra "a cooperação existente a nível político e diplomático, entre Portugal e Angola, quer bilateral, quer multilateralmente, no âmbito da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, bem como os laços de amizade que unem os dois povos".

O documento aponta também "as relações existentes entre Lisboa e Luanda, concretizadas no Acordo de Geminação entre as duas cidades a 11 de outubro de 1988".

No texto, Fernando Medina realça ainda "as afinidades existentes a nível bilateral, cultural e institucionalmente, e multilateral, no âmbito da UCCLA -- União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa".

O convite para João Lourenço fazer um discurso no parlamento português, durante a sua visita a Portugal, foi concertado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, com o Governo e com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A 17 de setembro, durante a visita oficial do primeiro-ministro a Luanda, António Costa afirmou que as visitas de alto nível político entre os governos de Portugal e Angola têm de ser menos espaçadas no tempo a partir de agora, evitando a acumulação de "muitas matérias" bilaterais por tratar.

O último primeiro-ministro de Portugal a visitar Angola foi Pedro Passos Coelho em 2011. Já quanto a Presidentes da República de Angola de visita a Portugal, o último foi José Eduardo dos Santos, em 2010.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.