BE, PCP e PEV contra voto de pesar pela morte de George Bush

PS, PSD, CDS e deputado único do PAN votaram a favor de texto que sublinha "a crédito" do antigo presidente americano a libertação do Koweit

Os deputados do BE, do PCP e do PEV levantaram-se contra o voto de pesar pelo falecimento de George Herbert Bush, antigo presidente americano, que o Parlamento aprovou esta sexta-feira.

A favor do texto apresentado pelo PS, PSD, CDS-PP e por membros do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Estados Unidos da América, votaram as três bancadas proponentes e o deputado único do PAN, André Silva.

O texto apresenta George H. W. Bush, que foi o 41.º presidente dos Estados Unidos da América, como "um amigo de Portugal" e aponta a liderança que lhe coube coincidindo "com o fim da Guerra Fria", num "período de redefinição da ordem mundial".

Num outro parágrafo sublinha-se que Bush pai foi um "atlantista profundo, defendeu sempre a especial ligação dos EUA à Europa e o multilateralismo", tendo sido "um dos mentores da transformação da OTAN". Mais: "A seu crédito vão, também, a libertação do Koweit, ao abrigo de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, e ainda a permanência da Alemanha unificada na OTAN." Bloquistas, comunistas e ecologistas estiveram contra.

Um outro voto, apresentado pelo BE, de "repúdio pelo confinamento e isolamento de migrantes na Dinamarca", foi retirado da ordem de trabalhos para ser objeto de debate na Comissão dos Assuntos Europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.