BE revela: há acordo para redução do IVA na eletricidade

"O IVA da eletricidade vai descer no próximo Orçamento de Estado", anunciou Catarina Martins

O Bloco de Esquerda reclamou hoje a inscrição do valor de 1% do PIB para a Cultura no Orçamento de Estado (OE) para 2019 e anunciou um acordo para a redução do IVA na fatura da eletricidade.

Em Abrantes, no distrito de Santarém, a coordenadora do BE participou esta manhã no debate sobre cultura e OE no âmbito do acampamento nacional da juventude do BE, tendo afirmando aos jornalistas que a cultura em Portugal "tem tido um orçamento praticamente inexistente, 0,1% do PIB".

"Nem com uma lupa se consegue ver, e a cultura é parte integrante do desenvolvimento, da qualificação, da liberdade de um país", afirmou Catarina Martins, defendendo a importância do debate das políticas e reforço de verbas para o setor.

"Está aqui connosco [em Abrantes] quem tem estado na contestação, no ativismo, a exigir aquele mínimo de decência de 1% para o orçamento da cultura", observou, tendo destacado ainda, ao nível das políticas fiscais para o setor energético, a redução do IVA na eletricidade.

O acordo

"Registo que o Governo já aceitou aquilo que é uma proposta do BE há muito tempo, que é a necessidade da redução do IVA da eletricidade", disse Catarina Martins, tendo feito notar que "o problema não é apenas fiscal, mas também de rendas excessivas" no setor energético.

"Por iniciativa do BE há uma comissão de inquérito parlamentar a essas rendas excessivas que já tem dados que permitem ao Governo cortar já, pelo menos, 500 milhões de euros nas rendas excessivas para o ano que vem e, por essa via, descer a fatura da luz", argumentou.

Por outro lado, defendeu, é possível "ir mais longe" e "também pela via fiscal" na descida do IVA da eletricidade.

"Não tem nenhum sentido que um bem essencial como a eletricidade pague a taxa máxima de IVA. Devemos reverter essa que foi uma das medidas da direita e da troika, voltar à taxa reduzida de IVA e isto é uma boa notícia: o IVA da eletricidade vai descer no próximo Orçamento de Estado", assegurou.

O fim da geringonça, a saída do Euro, a precariedade laboral ou as alterações climáticas serão alguns dos temas discutidos no 15.º acampamento Liberdade, organizado pela Coordenadora Nacional de Jovens do BE, que decorre até segunda-feira no parque de campismo de Castelo do Bode, em Martinchel, Abrantes.

Um dos destaques do acampamento - que reúne 230 jovens - é o painel intitulado "Fim do acordo: que outros caminhos pode seguir a esquerda em Portugal?", marcado para domingo de manhã e que terá como um dos oradores o deputado do BE José Manuel Pureza, e no qual serão discutidos os cenários pós-geringonça, a pouco mais de um ano das próximas eleições legislativas.

Hoje, a coordenadora do BE, Catarina Martins, juntou-se ao acampamento Liberdade para debater "Manifestações da Cultura: o que falta fazer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.