BE acelera debate sobre desigualdade salarial

Bloquistas vão pedir o agendamento do projeto de lei do partido para diminuir a desigualdade salarial.

É já esta quarta-feira, na primeira reunião da conferência de líderes parlamentares depois das férias, que o presidente do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, vai pedir o agendamento do projeto de lei do partido para diminuir a desigualdade salarial.

Este projeto que "determina a transparência de vencimentos e propõe o estabelecimento de leques salariais de referência como mecanismo de combate à desigualdade salarial" foi apresentado em agosto e o BE quer colocar o tema com urgência na agenda parlamentar, depois de também o primeiro-ministro, António Costa, ter pressionado, no mês passado, o setor privado para aumentar salários.

Os bloquistas recordam, na exposição de motivos da sua proposta, que "Portugal é o quarto país da União Europeia com a maior desigualdade salarial (a seguir à Polónia, Roménia e Chipre) quando comparamos o decil dos salários mais altos e o decil dos salários mais baixos. A este facto está associada, além do mais, uma tendência preocupante: esta desigualdade não tem parado de crescer. Neste contexto, o próprio salário mínimo, que se vem transformando, crescentemente, numa espécie de 'salário nacional'."

Segundo o BE, este cenário agrava-se nas empresas cotadas na bolsa: "Nas principais empresas da bolsa portuguesa, nos últimos três anos, o custo do trabalho esteve estagnado, mas o vencimento dos gestores aumentou 40%. De ano para ano, aliás, esta disparidade tem aumentado sempre. Em média, os gestores das empresas portuguesas do PSI-20 ganham 1 milhão de euros por ano, mais de 70 mil euros por mês."

Na primeira conferência de líderes depois das férias, os vários partidos devem também antecipar a ordem de trabalhos da comissão permanente da Assembleia da República, que terá lugar na quinta-feira, num debate que deve ser centrado no atual estado da ferrovia, que o CDS quer ver discutida por este órgão que reúne durante as férias parlamentares. O primeiro plenário depois das férias acontecerá em 19 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.