Banco de Portugal tem de revelar grandes devedores ao Parlamento até 23 de maio

Instituição liderada por Carlos Costa tem 100 dias para elaborar um relatório extraordinário sobre os grandes devedores dos bancos que beneficiaram de ajudas públicas

O Banco de Portugal (BdP) tem até 23 de maio para entregar à Assembleia da República um relatório extraordinário sobre os grandes devedores dos bancos que beneficiaram de ajudas públicas.

A lei que determina esta obrigação foi esta terça-feira publicada em Diário da República e entra em vigor amanhã, 13 de fevereiro.

De acordo com o documento, a instituição liderada por Carlos Costa tem agora "100 dias corridos" para entregar ao Parlamento um relatório extraordinário "com a informação relevante relativa às instituições de crédito abrangidas em que, nos doze anos anteriores à publicação da presente lei, se tenha verificado" a aplicação ou disponibilização de fundos públicos. Uma formulação que abrange a Caixa Geral de Depósitos, BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, já defendeu que este prazo "não é exequível". Num parecer entregue pelo BdP ao Governo, divulgado pela agência Lusa, o banco central argumentava que as "instituições não reportam ao Banco de Portugal a totalidade da informação relevante prevista", pelo que teria de ser criado "um novo reporte para as instituições". O BdP dizia não ter competências para pedir essa informação aos maiores bancos que operam em Portugal, uma vez que a sua supervisão é feita pelo Banco Central Europeu (BCE) e só esta entidade poderia avançar com a medida. Os deputados introduziram alterações ao texto que esteve em discussão na Assembleia da República para ultrapassar os obstáculos levantados pelo BdP.

Deputados e funcionários do parlamento obrigados a sigilo

Segundo a nova lei, à disponibilização desta informação "não é oponível o segredo bancário e de supervisão", mas os deputados e trabalhadores da Assembleia da República ficam sujeitos a duas restrições impostas no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras, que estabelece que "ficam sujeitas a dever de segredo todas as autoridades, organismos e pessoas que participem nas trocas de informações" com o Banco de Portugal, e que o BdP "só pode comunicar informações que tenha recebido de entidades de outro Estado-Membro da União Europeia ou de países não membros com o consentimento expresso dessas entidades e, se for o caso, exclusivamente para os efeitos autorizados".

O diploma diz também que o Banco de Portugal "pode, a título meramente indicativo e em documento autónomo, apresentar sugestão, segundo um critério de estrita e absoluta indispensabilidade e com fundamentação especificada, de quais os dados da informação relevante comunicada que estariam eventualmente sujeitos a segredo bancário ou de supervisão".

A mesma lei determina que, em caso de operações de capitalização de instituições de crédito com recurso a fundos públicos, o "Governo manda realizar uma auditoria especial por entidade independente, por si designada sob proposta do Banco de Portugal", paga pela instituição auditada, e que deverá debruçar-se sobre as operações de crédito, decisões de investimento e aquisição e alienação de ativos.

O Banco de Portugal, por sua vez, entrega à Assembleia da República a "informação relevante no prazo de 120 dias" sobre a data da decisão que determine a atribuição de fundos públicos a qualquer instituição bancária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.