Autarca de Sta. Maria da Feira defende liderança de Rui Rio e pede debate ideológico

Emídio Sousa, presidente da concelhia do PSD de Santa Maria da Feira considera que esta não é a altura para pôr em causa o líder do partido laranja: "A saída de militantes não garante um futuro auspicioso ao PPD-PSD nem ao novo partido!"

Emídio Sousa, presidente da concelhia do PSD de Santa Maria da Feira, considera que "esta não é altura para pôr em causa a liderança de Rui Rio ao fim de seis meses, a menos que o desempenho e os indicadores sejam de facto muito maus e alarmantes". No entender no autarca, "não me parece ser esse o caso, por muito que possa discordar de Rui Rio".

Uma afirmação que parece responder ao antigo presidente da JSD, Pedro Duarte, que, nesta semana, em entrevista ao Expresso, desafiou a liderança de Rui Rio no PSD, defendendo uma nova estratégia para o partido. Para o antigo líder da JSD, "o PSD, tão cedo quanto possível, deve mudar de estratégia e de liderança". Pois, na opinião de Pedro Duarte, o "PSD desistiu de apresentar uma alternativa ao PS e está empenhado em substituir o BE e o PCP no apoio ao governo socialista".

Na opinião de Emídio Sousa, a contestação ao líder laranja tem um objetivo: "Esta agitação tende, todavia, a lançar para segundo plano o debate ideológico quanto ao posicionamento do PSD, que, em minha opinião, importaria fazer de imediato. Há claramente dentro do PSD duas correntes ideológicas marcantes: uma mais à esquerda, próxima do socialismo democrático, e outra mais conservadora/liberal, dentro dos princípios programáticos dos partidos que constituem o Partido Popular Europeu, na qual o PSD se posiciona na Europa. Penso que é muito importante fazer este debate. Os cerca de 50 anos de história do partido - considerando a sua génese na ala liberal ainda antes do 25 de Abril - permitem-nos fazer essa análise."

"O votante do PSD será verdadeiramente de esquerda? Este eleitor quer mais ou menos Estado na sociedade? Mais liberdade individual ou mais coletivismo? Acredita no trabalho e no mérito ou prefere o Estado a gerir e a regular a sua vida? Prefere a igualdade de oportunidades à partida ou a igualdade para todos à chegada? Um Estado fiscalista ávido de dinheiro, para depois o distribuir segundo as conveniências conjunturais, alimentar a si próprio e às suas ruidosas corporações? Um Estado prestador ou um Estado provedor de serviços? Um Estado atulhado de funcionários com salários baixos ou com menos funcionários e mais bem remunerados? Fará sentido esta divisão estanque entre direita e esquerda? Parece-me importante este debate imediato", escreve em comunicado.

Santana está a ajudar a dar votos ao PS

A saída de Santana Lopes do PSD para formar um novo partido também mereceu um comentário por parte de Emídio Sousa. "Fui apoiante e mandatário distrital de Santana Lopes e, do ponto de vista do posicionamento e pensamento ideológico, comungo de muitas das suas posições. Entendo, no entanto, que a disputa deve ser feita dentro do PPD-PSD e não num novo partido. A saída de militantes não garante um futuro auspicioso ao PPD-PSD nem ao novo partido. Revejo-me naquilo que Pedro Santana Lopes repetidamente chamava de PPD-PSD. Defendo até que o partido deve voltar à designação inicial de PPD", declarou o presidente da concelhia do PSD de Santa Maria da Feira, rematando: "Dividir o PPD-PSD é dar ao PS a maioria que anda a tentar garantir há muito tempo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.