Autarca de Alvalade desfilia-se do PSD e segue Santana

O membro da Assembleia de Freguesia de Alvalade João Pessoa e Costa anunciou a um grupo de amigos e militantes do PSD que se desfilia do PSD para seguir Pedro Santana Lopes.

Numa mensagem enviada na quarta-feira, João Pessoa e Costa diz que "nos últimos meses tenho vindo a acompanhar o meu amigo de longa data Pedro Santana Lopes numa reflexão que visa a constituição de um novo partido político". E conclui que "assim sendo chegou o momento de dizer adeus ao PSD".

O autarca de Alvalade recorda que a lei o obriga a renunciar ao lugar de vogal da Assembleia de Freguesia.

Apesar de os dirigentes de topo que apoiaram Santana Lopes na luta pela liderança do PSD não se mostrarem dispostos a abandonar a abraçar o seu novo projeto político, admite-se no partido que haja um movimento de desfiliação de militantes que têm cargos nas autarquias.

Tanto mais que Pedro Santana Lopes estabeleceu muitas relações pessoais e políticas durante os largos anos em que exerceu o cargo de autarca, quer na Figueira da Foz quer em Lisboa. O antigo líder do PSD conquistou, pela primeira vez, a Câmara da Figueira da Foz em 1997 e a de Lisboa em 2002, onde se manteve até 2004, altura em que assumiu o mandato de primeiro-ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.