Audições parlamentares sobre Tancos aprovadas por unanimidade

Requerimentos para ouvir Graça Mira Gomes, Helena Fazenda e Rovisco Duarte foram entregues antes da audição parlamentar do ministro da Defesa.

A Comissão parlamentar de Defesa aprovou esta terça-feira, por unanimidade, as audições dos responsáveis do Exército e dos serviços de informações e da segurança interna sobre o furto de material de guerra em Tancos.

As votações antecederam o início da audição parlamentar do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a propósito das novas informações relacionadas com aquele caso ocorrido no final de junho de 2017.

Ficam por decidir as datas das audições, com o deputado João Rebelo (CDS) a evocar que as realizadas em 2017 sobre o mesmo tema tiveram lugar no final de julho - pelo que agora pode ocorrer o mesmo.

A audição do chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, foi requerida pelo CDS, enquanto as da secretária-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP), embaixadora Graça Mira Gomes, e da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SGSSI), procuradora-geral adjunta Helena Fazenda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.