Cristas decreta o fim do BE como "pendor moral do regime"

A líder centrista diz que o caso de Ricardo Robles não diz apenas respeito ao ex-vereador da câmara municipal de Lisboa, mas é "um assunto do próprio BE"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que o caso de Ricardo Robles desmascarou o BE na sua "hipocrisia política" e arrogância, deixando de poder querer ser "o pendor moral do regime".

"O BE ficou desmascarado nas suas posições, muitas vezes demagógicas, procurando sempre posicionar-se com um certo nível de arrogância e de superioridade moral em relação a todos os outros partidos. Isso ficou desmascarado e o BE já não poderá continuar a querer ser o pendor moral do regime", defendeu Assunção Cristas aos jornalistas.

À margem de uma visita às 'repúblicas seniores' do Centro Social e Paroquial de São Jorge de Arroios, em Lisboa, a líder centrista salientou que este caso não implica apenas o vereador bloquista da autarquia da capital, que acabou por renunciar ao mandato, mas todo o BE.

"Acho que este assunto não é um assunto de Ricardo Robles, é um assunto do próprio BE, porque o BE não se distanciou, no momento em que as coisas vieram a lume procurou desvalorizar e até atirar para cima da comunicação social, dizendo que estava a ser alvo disto ou daquilo ou de notícias que não eram verdadeiras", defendeu.

Assunção Cristas disse ver a renúncia ao mandato de Ricardo Robles como o resultado de "uma enorme pressão de toda a sociedade", numa atitude tomada "não por convicção", mas por ausência de alternativa.

"O BE entrou numa profundíssima contradição. Durante muito tempo andou a dizer algo que, de repente, se virou contra o próprio BE. O que nós sentimos é uma enorme hipocrisia política. No fundo, o BE quer uma realidade para os outros, mas para si próprio e para os outros escolhe outra", declarou.

A renúncia ao mandato de vereador por Ricardo Robles surgiu na sequência de uma notícia avançada na edição de sexta-feira do Jornal Económico segundo a qual, em 2014, o autarca adquiriu um prédio em Alfama por 347 mil euros, que foi reabilitado e posto à venda em 2017 avaliado em 5,7 milhões de euros.

"Convivo com Ricardo Robles como vereador há nove meses na Câmara Municipal de Lisboa, mensalmente, pelo menos mensalmente, oiço críticas profundas à atuação do CDS e à minha atuação, ditadas do alto de uma superioridade moral e de uma arrogância política que não tem limites. Se Ricardo Robles continuasse acho que tinha de ficar sempre de boca calada", disse Assunção Cristas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.