Assessor do PSD insulta PR, vereadora faz diretiva sobre redes sociais

Carlos Reis insultou Marcelo com um post no Facebook. Teresa Leal Coelho repreendeu-o duramente. Nota foi retirada. Vereadora prepara diretiva sobre uso das redes sociais por membros do gabinete do PSD na autarquia

"Um texto ordinário, gratuito, que representa tudo o que repudio na expressão de opiniões, que é grave fosse dirigido a quem fosse mas se torna muito mais grave por ser dirigido ao Presidente da República, por quem tenho profundo respeito e amizade, pessoal e institucional."

Foi assim que Teresa Leal Coelho, a principal vereadora do PSD na Câmara Municipal de Lisboa (CML) - além de deputada na AR - qualificou, em declarações ao DN, uma nota publicada esta quarta-feira à tarde no Facebook por um assessor da vereação social-democrata naquele município, Carlos Reis, jurista e funcionário requisitado à Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais da cidade.

Na nota - entretanto retirada - Carlos Reis usou linguagem pornográfica para se referir ao facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter tido um episódio de hiper salivação junto ao Presidente da China, Xi Jinping. Também tratou o PR chinês como "Imperador da China" e "DDT" [sigla de Dono Disto Tudo], dizendo ainda que "os políticos que mandam neste pequeno entreposto comercial europeu em permanente OPV [Oferta Pública de Venda] babam-se todos perante o poder do dinheiro imperial".

Teresa Leal Coelho soube da referida nota do assessor no Facebook pelo DN. Depois repreendeu-o - e na sequência disso, segundo nos contou, Carlos Reis não só apagou o texto como pediu desculpa e prometeu que o sucedido não se repetirá.

A vereadora acrescentou não ter aceite o argumento de Reis segundo o qual a sua página naquela rede social é pessoal - um argumento pelo qual o assessor estaria a defender que a sua opinião não vincularia nem atingiria os vereadores do PSD na CML.

Agora Teresa Leal Coelho garante que vai elaborar uma diretiva para todos os membros do gabinete do PSD na CML com "orientações sobre o que são os limites nas manifestações públicas de opiniões". "Que não se ultrapasse o que é razoável. Recuso ofensas, injúrias e tudo o que atinja o bom nome das pessoas", disse ao DN. "E quanto às figuras do Estado tem de haver um particular zelo."

Seja como for, Carlos Reis não foi obrigado a demitir-se - continuará como assessor do PSD na vereação lisboeta. "Isto serve como uma primeira advertência", diz a vereadora e deputada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.