As luvas, a escala, a tshirt e a pedra ou o travão do PS nas leis laborais

"Queremos ganhar, estamos preparados para ganhar", diz José Soeiro

Primeiro foi uma luva, depois uma escala de turnos, uma tshirt e depois uma pedra. José Soeiro, deputado do PS responsável pelas questões laborais, subiu ao palco da XI convenção dos bloquistas, que está a decorrer este fim de semana em Lisboa, para levantar "quatro símbolos da luta" dos trabalhadores. Numa intervenção fortemente aplaudida, o deputado bloquista apontou baterias ao PS por não mexer a fundo nas leis laborais, e acabou a dizer à Convenção: "Queremos ganhar, estamos preparados para ganhar".

Primeiro foi a luva - "que não é apenas uma luva, mas o símbolo da luta das trabalhadoras da limpeza, que ganham 3.20 euros à hora, 1.90 de subsídio de almoço e não são aumentadas há uma década" - "A caducidade da contratação coletiva que o PS quer manter na lei é uma faca apontada ao coração destas trabalhadoras". Depois foi a escala de turnos, "o testemunho de uma vida em contrarelógio" , que abrange "dois em cada 10 trabalhadores em Portugal" - "A legislação que temos não responde por estes trabalhadores", que têm "encontrado no Bloco de Esquerda um aliado e no PS um travão".

Seguiu-se a tshirt, o "emblema da criação de um movimento de cuidadores e cuidadoras informais", para os quais o BE tem reclamado a criação de um Estatuto do Cuidador, e a pedra, que "não é só uma pedra, é o símbolo da luta dos trabalhadores das pedreiras". "Estes são símbolos de lutas e da possibilidade de ganharmos", acrescentou Soeiro, aplaudido de pé por boa parte da plateia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.