As luvas, a escala, a tshirt e a pedra ou o travão do PS nas leis laborais

"Queremos ganhar, estamos preparados para ganhar", diz José Soeiro

Primeiro foi uma luva, depois uma escala de turnos, uma tshirt e depois uma pedra. José Soeiro, deputado do PS responsável pelas questões laborais, subiu ao palco da XI convenção dos bloquistas, que está a decorrer este fim de semana em Lisboa, para levantar "quatro símbolos da luta" dos trabalhadores. Numa intervenção fortemente aplaudida, o deputado bloquista apontou baterias ao PS por não mexer a fundo nas leis laborais, e acabou a dizer à Convenção: "Queremos ganhar, estamos preparados para ganhar".

Primeiro foi a luva - "que não é apenas uma luva, mas o símbolo da luta das trabalhadoras da limpeza, que ganham 3.20 euros à hora, 1.90 de subsídio de almoço e não são aumentadas há uma década" - "A caducidade da contratação coletiva que o PS quer manter na lei é uma faca apontada ao coração destas trabalhadoras". Depois foi a escala de turnos, "o testemunho de uma vida em contrarelógio" , que abrange "dois em cada 10 trabalhadores em Portugal" - "A legislação que temos não responde por estes trabalhadores", que têm "encontrado no Bloco de Esquerda um aliado e no PS um travão".

Seguiu-se a tshirt, o "emblema da criação de um movimento de cuidadores e cuidadoras informais", para os quais o BE tem reclamado a criação de um Estatuto do Cuidador, e a pedra, que "não é só uma pedra, é o símbolo da luta dos trabalhadores das pedreiras". "Estes são símbolos de lutas e da possibilidade de ganharmos", acrescentou Soeiro, aplaudido de pé por boa parte da plateia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.