António Costa apupado por investigadores

Bolseiros cansados de não verem regularizada a sua situação. Primeiro-ministro falou em mais financiamento para a Ciência e ouviu apupos

É indisfarçável o mal estar entre investigadores e bolseiros que esta terça-feira de manhã receberam o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Ciência, Manuel Heitor, vestidos de preto e com papéis a dizer que estão de "luto pela ciência", chegando mesmo a apupar António Costa.

O primeiro-ministro disse que "é também fundamental continuar a investir nas bolsas de doutoramento e pós-doutoramento" e, neste instante, as dezenas de bolseiros presentes no Encontro Ciência 2018, que decorre em Lisboa, apuparam-no. Costa fez uma pausa e completou a frase: "De forma a continuar a valorizar o conhecimento científico do nosso país."

Os apupos foram repetidos quando Costa falou em quem distorce as carreiras que "estão legalmente estabelecidas, em particular a carreira docente". Já enquanto o ministro Manuel Heitor falou, os bolseiros estiveram de costas.

Em causa está a não integração de muitos investigadores com contrários precários, que já deviam ter visto a sua situação regularizada, ao abrigo do Prevpap (programa de regularização extraordinária dos vínculos precários na Administração Pública).

Outro ponto na ordem do dia contestado pelos bolseiros é o facto de a FCT estar a fazer uma interpretação restritiva da aplicação da lei nº. 24/2018, que promoveu a "renovação e prorrogação das bolsas" de investigação pós-doutoramento.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.