António Costa apupado por investigadores

Bolseiros cansados de não verem regularizada a sua situação. Primeiro-ministro falou em mais financiamento para a Ciência e ouviu apupos

É indisfarçável o mal estar entre investigadores e bolseiros que esta terça-feira de manhã receberam o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Ciência, Manuel Heitor, vestidos de preto e com papéis a dizer que estão de "luto pela ciência", chegando mesmo a apupar António Costa.

O primeiro-ministro disse que "é também fundamental continuar a investir nas bolsas de doutoramento e pós-doutoramento" e, neste instante, as dezenas de bolseiros presentes no Encontro Ciência 2018, que decorre em Lisboa, apuparam-no. Costa fez uma pausa e completou a frase: "De forma a continuar a valorizar o conhecimento científico do nosso país."

Os apupos foram repetidos quando Costa falou em quem distorce as carreiras que "estão legalmente estabelecidas, em particular a carreira docente". Já enquanto o ministro Manuel Heitor falou, os bolseiros estiveram de costas.

Em causa está a não integração de muitos investigadores com contrários precários, que já deviam ter visto a sua situação regularizada, ao abrigo do Prevpap (programa de regularização extraordinária dos vínculos precários na Administração Pública).

Outro ponto na ordem do dia contestado pelos bolseiros é o facto de a FCT estar a fazer uma interpretação restritiva da aplicação da lei nº. 24/2018, que promoveu a "renovação e prorrogação das bolsas" de investigação pós-doutoramento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.