PS quer ouvir secretárias-gerais dos serviços secretos e das polícias

Furto aos paióis de Tancos justifica requerimento entregue na Comissão parlamentar de Defesa.

Manuel Carlos Freire
Secretária-Geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, já foi ouvida no Parlamento sobre o furto de Tancos© Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Os deputados do PS requereram esta terça-feira a audição "com caráter de urgência" das secretárias-gerais dos sistemas de Informações e da Segurança Interna "sobre um possível" furto aos paióis de Tancos.

O antecessor de Graça Mira Gomes como responsável pelos Sistema de Informações da República (SIRP) já foi ouvido no Parlamento em julho passado sobre o furto de material de guerra nos paióis do Exército em Tancos, a exemplo da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda.

O furto de material de guerra em Tancos foi descoberto no final de junho de 2017, tendo desaparecido lança-granadas anticarro, explosivos e granadas de mão ofensivas, além de outro material utilizado em instrução.

O material acabaria por ser devolvido algumas semanas depois, deixando num descampado próximo da Chamusca durante uma noite e madrugada de fortes chuvadas.

O Exército anunciou então que os responsáveis pelo furto tinham devolvido uma caixa com uma centena de petardos que não constava dos registos dos paióis.

O CDS também requereu esta terça-feira a audição "com a maior urgência" do chefe do Estado-Maior do Exército, "para um cabal esclarecimento das informações" dadas em tribunal pelo Ministério Público e que "contrariam as afirmações prestadas" pelo general Rovisco Duarte aquando da recuperação do material furtado.

Em causa o facto de o general ter anunciado a recuperação de todo o material quando o Ministério Público afirma haver explosivos e granadas ainda na posse de desconhecidos.

O PS, devido a essas informações noticiadas sábado pelo Expresso "sobre um possível 'Assalto aos paióis de Tancos'", requereu agora a audição daquelas duas responsáveis dos serviços secretos e das policias sobre "as suas implicações na segurança nacional".