ONU condecora paraquedistas portugueses na República Centro-Africana

Manuel Carlos Freire
Capacetes azuis portugueses em formatura na República Centro-Africana  | foto EMGFA
Militares em parada no quartel de Camp M'Poko, em Bangui | foto EMGFA
Militares portugueses desfilam no final da cerimónia em Bangui | foto EMGFA

Os 156 militares portugueses destacados na República Centro-Africana (RCA) foram condecorados com a medalha das Nações Unidas, informou esta sexta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Este terceiro contingente de capacetes azuis portugueses é formado por 153 militares do Exército - dos quais 123 paraquedistas - e três da Força Aérea, que terminam a sua missão no início de setembro, adiantou o EMGFA.

A cerimónia decorreu quinta-feira no quartel-general dos militares portugueses, Camp M´Poko, e foi presidida pelo representante especial do secretário-geral da ONU, António Guterres, na RCA.

Na sua intervenção, o embaixador Parfait Onanga-Anyanga destacou "os momentos determinantes em que a Força de Reação Rápida portuguesa marcou a diferença, contribuindo significativamente para o sucesso da missão" das Nações Unidas, "em particular na proteção da população local indefesa".

Presentes na cerimónia estiveram ainda, entre outros, o comandante operacional da ONU, tenente-general senegalês Bala Keitá, e o comandante da Missão de Treino da UE na RCA, brigadeiro-general português Hermínio Maio.

O quarto contingente que inicia funções em setembro é constituído por 179 militares sob o comando do tenente-coronel paraquedista Verdelho Fontoura.