Álvaro Amaro contra Rui Moreira. "Miserável é a ignorância"

O autarca do PSD que negociou a descentralização com o governo ataca o presidente da Câmara do Porto, que considerou "miserável" o acordo de transferência de competências para os municípios.

"Miserável é por ignorância dizer-se o que se disse", disparou o presidente da Câmara da Guarda. Álvaro Amaro respondia assim às críticas de Rui Moreira ao conteúdo do acordo de descentralização entre o PSD e o governo, em declarações ao Expresso. Insinuando que o autarca do Porto só falou porque é "vaidoso" e queria ter um maior protagonismo nas decisões da Área Metropolitana do Porto, Amaro garantiu que o acordo "salvaguarda o interesse de todos os municípios", porque, disse, "quem quer quer quem não quer só tem de aceitar até 2021".

Álvaro Amaro, que está a participar na festa do Pontal, classificou de "protagonismo balofo" as palavras de Rui Moreira, que só se explica "à luz de algumas disputas internas" na Área Metropolitana do Porto. E lembrou que do acordo saiu a decisão de, através de uma comissão independente, discutir o processo de descentralização daqui a um ano. Álvaro Amaro insistiu na ideia de que em 2019, as competências só serão transferidas se o quadro de financiamento e competências estiver criado pelo governo, que tarda em o fazer. E reiterou: "Miserável é a ignorância", quando se "sobrepõe a vaidade à responsabilidade".

Na edição deste sábado do semanário Expresso, Rui Moreira classificou a lei de descentralização de "atabalhoada", depois de "um acordo miserável entre PS e o PSD".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.