Açores: Federalismo e mais autonomia nas eleições para o PSD regional

A definição de um "novo rumo" para o PSD/Açores é a proposta da candidatura de Alexandre Gaudêncio à liderança da estrutura, querendo o candidato mobilizar para o partido cidadãos com "provas dadas".

22 anos depois de ter sido governo nos Açores, com Mota Amaral, e seis governos do PS depois, o PSD Açores está em ebulição para a escolha do novo líder que há-de candidatar-se em 2020. As eleições internas estão agendadas para 29 de setembro - após o atual líder regional, Duarte Freitas, eleito em 2013, ter anunciado que estava de saída. Há dois candidatos à liderança, ambos jovens, ambos da ilha de São Miguel - o advogado Pedro Nascimento Cabral, e o autarca Alexandre Gaudêncio.

Neste tempo o PSD regional teve cinco líderes. Álvaro Dâmaso, gestor e ex-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, considerado 'delfim' de Mota Amaral, Carlos Costa Neves, ex-ministro da Agricultura e do Ambiente, eurodeputado, e natural da ilha Terceira, o popular presidente da câmara de Ponta Delgada, Manuel Arruda, o amigo pessoal do ex-primeiro ministro Pedro Passos Coelho, Victor Cruz, atual CEO do grupo Bensaúde, o maior grupo económico dos Açores, e Berta Cabral, a emblemática economista que tinha sido presidente da Câmara de Ponta Delgada - onde deixou marca, nomeadamente no transporte municipal, sendo que as camionetas que circulam pela cidade continuam a ser chamadas de "as bertinhas". A primeira mulher à frente do partido regional foi prejudicada, em 2012, pela associação ao plano de austeridade de Passos Coelho, e perdeu as eleições face ao delfim de Carlos César, Vasco Cordeiro, atual presidente.

O ex-eurodeputado Duarte Freitas agarrou no partido, decidido a renová-lo - e uma das suas mais famosas medidas foi cortar com o passado retirando a integração clássica de Mota Amaral nas listas do partido. Pouco carismático, perdeu para Vasco Cordeiro que se manteve na liderança do governo das nove ilhas.

Agora, dois jovens disputam a liderança. Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara da Ribeira Grande - a segunda cidade mais importante da ilha de São Miguel - que ganhou notoriedade política com uma vitória expressiva, nas eleições autárquicas de 2013, derrubando o candidato socialista Ricardo Silva.

Homem de ação e aproveitando bem o palco do poder local, diz que quer transformar o PSD/Açores numa verdadeira escola de formação política e de valores promovendo a formação, em particular no poder local, através da criação de uma academia em conjunto com o Instituto Sá Carneiro. As mulheres são também uma das suas bandeiras, na promoção da igualdade de género e de oportunidades - garantindo igualdade nas listas.

Gaudêncio quer um "partido autónomo" da estrutura nacional, que ponha sempre os Açores à frente do partido, algo que admite que se perdeu nos últimos anos, daí a necessidade de apostar na "matriz social-democrata" - com margem para aprofundar a autonomia no quadro constitucional português, havendo setores como a justiça, saúde e segurança que podem ser melhorados.

O advogado de Ponta Delgada Pedro Nascimento Cabral também defende a tónica autonómica, mas vai mais longe. "Só depois de esgotarmos a autonomia se poderá evoluir para um novo patamar de sistema político constitucional que é um Estado português federal com três parcelas: continente, Açores e Madeira", declarou o antigo líder da JSD/Açore, casado e pai de dois filhos.

Filho de um jornalista e militante histórico do PSD/Açores diz que não quer que a região se "conforme com o sistema autonómico para sempre". Defende a criação de partidos regionais, a organização de listas de cidadãos ao parlamento dos Açores, a extinção do cargo de representante da República - cujos poderes, entende, devem ser assumidos pelo Presidente da República - e a redução do número de deputados, a par da reforma do sistema eleitoral e do funcionamento do parlamento, que deve contemplar um debate quinzenal com a presença do presidente do Governo.

É, garante, a candidatura do incoformismo. Considera que a região está numa situação "absolutamente degradante" nos seus vários setores, apresentando a educação e a saúde como exemplos. Também nos transportes aéreos e marítimos de passageiros e carga se assiste, segundo o advogado, a uma "constante incerteza", a par da "catástrofe que são as empresas públicas regionais", com milhões de prejuízos. Preconiza, por isso, um certo liberalismo e o regresso aos "valores de mercado".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.