Açores: Federalismo e mais autonomia nas eleições para o PSD regional

A definição de um "novo rumo" para o PSD/Açores é a proposta da candidatura de Alexandre Gaudêncio à liderança da estrutura, querendo o candidato mobilizar para o partido cidadãos com "provas dadas".

22 anos depois de ter sido governo nos Açores, com Mota Amaral, e seis governos do PS depois, o PSD Açores está em ebulição para a escolha do novo líder que há-de candidatar-se em 2020. As eleições internas estão agendadas para 29 de setembro - após o atual líder regional, Duarte Freitas, eleito em 2013, ter anunciado que estava de saída. Há dois candidatos à liderança, ambos jovens, ambos da ilha de São Miguel - o advogado Pedro Nascimento Cabral, e o autarca Alexandre Gaudêncio.

Neste tempo o PSD regional teve cinco líderes. Álvaro Dâmaso, gestor e ex-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, considerado 'delfim' de Mota Amaral, Carlos Costa Neves, ex-ministro da Agricultura e do Ambiente, eurodeputado, e natural da ilha Terceira, o popular presidente da câmara de Ponta Delgada, Manuel Arruda, o amigo pessoal do ex-primeiro ministro Pedro Passos Coelho, Victor Cruz, atual CEO do grupo Bensaúde, o maior grupo económico dos Açores, e Berta Cabral, a emblemática economista que tinha sido presidente da Câmara de Ponta Delgada - onde deixou marca, nomeadamente no transporte municipal, sendo que as camionetas que circulam pela cidade continuam a ser chamadas de "as bertinhas". A primeira mulher à frente do partido regional foi prejudicada, em 2012, pela associação ao plano de austeridade de Passos Coelho, e perdeu as eleições face ao delfim de Carlos César, Vasco Cordeiro, atual presidente.

O ex-eurodeputado Duarte Freitas agarrou no partido, decidido a renová-lo - e uma das suas mais famosas medidas foi cortar com o passado retirando a integração clássica de Mota Amaral nas listas do partido. Pouco carismático, perdeu para Vasco Cordeiro que se manteve na liderança do governo das nove ilhas.

Agora, dois jovens disputam a liderança. Alexandre Gaudêncio, presidente da Câmara da Ribeira Grande - a segunda cidade mais importante da ilha de São Miguel - que ganhou notoriedade política com uma vitória expressiva, nas eleições autárquicas de 2013, derrubando o candidato socialista Ricardo Silva.

Homem de ação e aproveitando bem o palco do poder local, diz que quer transformar o PSD/Açores numa verdadeira escola de formação política e de valores promovendo a formação, em particular no poder local, através da criação de uma academia em conjunto com o Instituto Sá Carneiro. As mulheres são também uma das suas bandeiras, na promoção da igualdade de género e de oportunidades - garantindo igualdade nas listas.

Gaudêncio quer um "partido autónomo" da estrutura nacional, que ponha sempre os Açores à frente do partido, algo que admite que se perdeu nos últimos anos, daí a necessidade de apostar na "matriz social-democrata" - com margem para aprofundar a autonomia no quadro constitucional português, havendo setores como a justiça, saúde e segurança que podem ser melhorados.

O advogado de Ponta Delgada Pedro Nascimento Cabral também defende a tónica autonómica, mas vai mais longe. "Só depois de esgotarmos a autonomia se poderá evoluir para um novo patamar de sistema político constitucional que é um Estado português federal com três parcelas: continente, Açores e Madeira", declarou o antigo líder da JSD/Açore, casado e pai de dois filhos.

Filho de um jornalista e militante histórico do PSD/Açores diz que não quer que a região se "conforme com o sistema autonómico para sempre". Defende a criação de partidos regionais, a organização de listas de cidadãos ao parlamento dos Açores, a extinção do cargo de representante da República - cujos poderes, entende, devem ser assumidos pelo Presidente da República - e a redução do número de deputados, a par da reforma do sistema eleitoral e do funcionamento do parlamento, que deve contemplar um debate quinzenal com a presença do presidente do Governo.

É, garante, a candidatura do incoformismo. Considera que a região está numa situação "absolutamente degradante" nos seus vários setores, apresentando a educação e a saúde como exemplos. Também nos transportes aéreos e marítimos de passageiros e carga se assiste, segundo o advogado, a uma "constante incerteza", a par da "catástrofe que são as empresas públicas regionais", com milhões de prejuízos. Preconiza, por isso, um certo liberalismo e o regresso aos "valores de mercado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.