Agressão no Porto: PCP quer apurar responsabilidade da PSP

Socialistas e comunistas condenam agressão racista contra colombiana em textos que serão votados esta sexta-feira no Parlamento

PS e PCP querem ver aprovados votos de condenação pela agressão que foi vítima a cidadã Nicol Quinayas no Porto, na noite de São João, com os comunistas a pedirem apuramento de responsabilidades e que estes atos não fiquem impunes.

De acordo com os dois textos já publicados no site do Parlamento, que serão votados esta sexta-feira, o PS pede a "condenação pela discriminação e agressão por racismo a Nicol Quinayas no Porto", enquanto que o PCP defende a "condenação das agressões e insultos racistas de que foi vítima a cidadã Nicol Quinayas".

A diferença não está apenas no título de cada voto: a bancada socialista, num texto assinado pelas deputadas Gabriela Canavilhas e Elza Pais, limita-se a princípios gerais em que a Assembleia da República "repudia veementemente qualquer sinal de discriminação racial e condena vivamente o ato de violência cometido contra a jovem", recordando que o Parlamento é representativo "de um país de referência no acolhimento de migrantes, da inclusão e da valorização da interculturalidade".

Já o PCP vai mais longe e defende que, para além da condenação "com veemência" dos "insultos e agressões de caráter racista e xenófobo de que foi vítima a cidadã Nicol Quinaya", "todas as autoridades públicas" tenham "uma atuação conducente a evitar que tais atos permaneçam impunes".

Os comunistas exigem "o apuramento de responsabilidades pela ausência de intervenção da PSP perante esta grave ocorrência" e apelam "ao sentido de responsabilidade de todas as entidades públicas e privadas na prevenção de quaisquer atos de discriminação racista e xenófoba e na responsabilização dos seus autores".

Nicol Quinayas, de 21 anos, alega ter sido violentamente agredida e insultada na madrugada de 24 de junho, no Porto, por um segurança da empresa 2045 a exercer funções de fiscalização para a empresa STCP, conforme noticiou o DN.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...