Adiadas 1500 cirurgias desde Janeiro

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou nesta noite de sexta-feira o último balanço das cirurgias adiadas em consequência da 'greve cirúrgica decretada por alguns sindicatos de enfermeiros.

Desde o dia 31 de janeiro, foram adiadas 1500 cirurgias devido à greve decretada por alguns sindicatos de enfermeiros, nomeadamente pela ASPE e Sindepo. Ministra disse o dia de hoje foi tranquilo, depois de .ter sido decretada a requisição civil.

Este número foi divulgado esta noite pela ministra da Saúde, depois de o governo ter decretado requisição civil para quatro centros hospitalares do país, onde foi detetado que não estariam a cumprir os serviços mínimos definidos pelo Tribunal Arbitral - Centro Hospitalar e Universitário de São João, Centro Hospitalar do Porto, que integra o Hospital Santo António, Centro Hospitalar de Entre-o-Douro e Vouga e no Centro Hospitalar de Tondela-Viseu.

A decisão do governo foi anunciada na quinta-feira. Os sindicatos reagiram começando por anunciar uma providência cautelar, mas já informaram que, afinal, a figura jurídica a utilizada será a de "uma intimação para proteção dos direitos, liberdades e garantias."

O anúncio de que uma ação judicial iria avançar foi feito durante a manhã de sexta-feira durante um protesto de enfermeiros à porta do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, no qual esteve presente também a bastonária da classe, Ana Rita Cavaco.

Carlos Ramalho, do Sindicato Democrático dos Enfermeiros portugueses (Sindepor), garantiu que ao contrário do que alguns hospitais alegaram os serviços mínimos foram sempre cumpridos. O que aconteceu foi que tinham sido agendadas cirurgias programadas que mesmo que os enfermeiros não estivessem em greve seriam adiadas.

430 cirurgias prioritárias adiadas em Coimbra na primeira greve

Em Coimbra, pelo menos 430 das cirurgias adiadas eram prioritárias ou muito prioritárias. Em relação ao total, 22% das operações adiadas eram prioritárias e 2% muito prioritárias.

Contudo, do total de cirurgias canceladas o CHUC identificou que 394 cancelamentos foram "resolvidos no período da greve".

Das 1890 cirurgias adiadas, 8% cento eram em operações de crianças.

Na resposta à OM, o CHUC acrescenta que muitos doentes não chegam a estar refletidos nestes dados, porque a respetiva cirurgia não chegou a ser agendada devido às perspetivas da própria greve. "Só virão a ser visíveis no aumento da lista de espera e no aumento de posteriores transferências para o setor privado", refere o centro hospitalar.

No Centro Hospitalar e Universitário Lisboa Norte, ao qual pertencem os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, mais de 120 cirurgias prioritárias ou muito prioritárias foram adiadas no decurso da primeira greve cirúrgica dos enfermeiros.

Segundo a administração do Santa Maria, quase 15% das cirurgias adiadas eram prioritárias e 3,5% muito prioritárias.

No momento em que enviou a informação à OM, o Centro Hospitalar Lisboa Norte apontava para 676 operações adiadas, mas entretanto, no parlamento, o presidente da administração indicou que mais de 800 tinham sido afetadas pela greve dos enfermeiros.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?