A importância da emoção e da força de vontade

O Parlamento discute o Estado da Nação e o DN regista o que pensam 24 portugueses de diferentes áreas profissionais. O que é que mudou na sua profissão após três anos de Governo PS com o apoio da esquerda parlamentar?

Gomes Pedro - Pediatra

O que mudou no exercício da medicina, em particular na pediatria, foi a passagem do modelo patológico - e que ainda está na cabeça de muitos profissionais de saúde -, para um modelo relacional. Este modelo baseia-se numa atenção para o social, para os afetos, para as emoções e sentimentos, que cada vez mais são partilhados com uma parentalidade. É um modelo cada vez mais sensível e exigente às mudanças que vão acontecendo e a que chamamos "touch point". A nível das políticas para a saúde, há uma crise de falta de profissionais face às exigências atuais, quando é preciso mais tempo, mais calma, mais interação com o doente. As consultas têm de ser feitas com mais tempo e com tranquilidade.

Serena Hindi - Refugiada palestiniana

A minha vida está fantástica, mas vivi momentos muito difíceis. Saí da Palestina em 2013 para a Bélgica, onde o estatuto de refugiado me foi negado por três vezes. Também não gostei do país, do clima ou das pessoas e comecei a pensar em viver em Espanha ou Portugal. Tentei saber mais sobre Portugal e toda a gente me falou muito bem. Em 2016, vim fazer uma visita e já não saí. As pessoas são muito simpáticas, sempre prontas a ajudar, gostam de abrir o coração e todos falam inglês. Quando penso em Portugal, não penso na Europa, pelo menos a Europa da Alemanha, da Bélgica ou da França. A minha vida mudou muito, é como se fosse um milagre. Vim com o meu namorado, não conhecíamos ninguém e a pouco e pouco fomos conhecendo pessoas que nos ajudaram. Estamos à espera do estatuto de refugiado, mas estamos com dificuldades porque fomos primeiro à Bélgica [o estatuto deve ser requerido no país de chegada à Europa].

António Vitorino de Almeida - Maestro/músico

Não posso dizer que tenha mudado por via política, estaria a mentir, mas efetivamente nunca vi tanta gente nova e boa. Não penso que seja derivado de uma ação política, pois há várias medidas que se aguardam há anos. A nível cultural, da música em particular, não vi medidas políticas, não se fez nada, pelo menos que eu saiba, Por outro lado, surpreendentemente. Entre janeiro e a atualidade, ouvi quatro orquestras sinfónicas muito boas, orquestras completas. É gente com um nível absolutamente extraordinário e, quem governa, deveria pensar nestas pessoas, que merecem mais. Se sem apoios têm esta qualidade, imagine o que não aconteceria se tivessem melhores condições.

Alves Santos - Vendedor de automóveis

O que mudou foi a estabilidade emocional das pessoas e isso reflete-se no negócio. A instabilidade política cria uma instabilidade emocional, o que faz com que as pessoas recuem no momento de decidir fazer uma compra, nota-se no setor automóvel como em todas as áreas de venda. Atualmente, as pessoas estão mais seguras para fazerem uma compra. A instabilidade política não é boa para o nosso ramo. Claro que a instabilidade laboral, o receio de perder o emprego, deixam as pessoas mais reticentes em relação a comprar, mas o que afeta mais é a estabilidade emocional. Vendo carros novos e o volume de vendas aumentou cerca de 40 % nos últimos três anos. Também pode ter ajudado o facto de termos híbridos, que tem uma procura muito grande, mas não é o fator essencial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.