Morais Sarmento diz que interesse do PSD "obriga todos" a remar na mesma direção

"Não é no momento da nossa vitória que estamos a pensar, é na maneira de melhor garantir nas próximas eleições aos portugueses que têm uma alternativa séria e com futuro", afirma Morais Sarmento

O vice-presidente social-democrata Nuno Morais Sarmento classificou o Conselho Nacional desta quarta-feira do PSD como "uma manifestação de maturidade e entusiasmo", em que a generalidade reconheceu que o interesse do partido "obriga" todos a remar na mesma direção.

"O Conselho Nacional tem decorrido com normalidade, com diversidade, mas com a consciência por parte de todos que, a partir deste momento, o interesse do PSD nos obriga a remarmos, colocarmos todas as nossas forças numa única direção", afirmou, em declarações aos jornalistas a meio da reunião, que decorreu entre as 21:30 de terça-feira e terminou já perto das 02:00 de hoje, em Setúbal.

Para o vice-presidente social-democrata, a realidade da reunião de hoje "é bem diferente" da que diz ler nos jornais e ver nas televisões sobre o que acontece nas reuniões internas do PSD.

Na sua intervenção inicial, em parte audível fora da sala do Conselho Nacional, o presidente do PSD, Rui Rio, defendeu que "o tempo é o melhor aliado" da sua estratégia, que passa por apontar os verdadeiros erros do Governo e construir uma alternativa credível.

Perante os conselheiros, Rui Rio admitiu que esta estratégia até poderá sofrer várias derrotas -- "podemos perder à primeira, podemos perder à segunda, à terceira, à quarta, à quinta", disse -, mas manifestou-se convicto de que um dia os portugueses "perceberão a diferença entre quem age assim e quem age de forma antagónica".

Questionado se o PSD dará esse tempo a Rui Rio, Morais Sarmento salientou que o foco são as eleições do próximo ano.

"É para 2019 que estamos a trabalhar e é em 2019 que queremos ganhar", disse o vice-presidente social-democrata.

Morais Sarmento salientou que, nas últimas eleições, também se atribuía a vitória ao PS, que acabou por não acontecer.

Questionado se a vitória nas próximas eleições legislativas não será decisiva para a continuidade de Rui Rio, Morais Sarmento respondeu invocando a máxima do fundador de Francisco Sá Carneiro, que primeiro está o país e só depois o PSD.

"Não é no momento da nossa vitória que estamos a pensar, é na maneira de melhor garantir nas próximas eleições aos portugueses que têm uma alternativa séria e com futuro", assegurou.

Sarmento considerou mesmo que "a nota mais forte" do discurso de Rui Rio, que durou perto de uma hora, foi precisamente o compromisso de "continuar a liderar o PSD com seriedade".

"Fazendo-o com seriedade e fazendo-o pensando não nas eleições e na vitória do PSD, mas nas eleições e no futuro de Portugal, é isso que se jogará em 2019", apontou.

Tal como Rui Rio tinha feito na sua intervenção, o vice-presidente do PSD defendeu que o partido deve "ser implacável" com os erros do Governo, mas não apontar erros que não existem.

A análise da situação política acabou por dominar grande parte do Conselho Nacional, que aprovou ainda o orçamento do partido para o próximo ano por "larguíssima maioria", de acordo com conselheiros presentes na reunião.

Por se temer que já não houvesse quórum para a votação das propostas de alteração dos estatutos -- que tinham passado para o fim da reunião --, esta foi novamente adiada para o próximo Conselho Nacional, que se deverá reunir dentro de três meses.

Numa reunião muito participada, foram menos os deputados presentes do que o habitual, entre eles o ex-líder parlamentar Hugo Soares, que foi uma das vozes mais críticas da anterior reunião deste órgão, ou o vice-presidente da bancada António Leitão Amaro que tinha discordado nesse encontro da estratégia seguida pela direção do PSD sobre especulação imobiliária.

Miguel Morgado, ex-assessor político do anterior líder Passos Coelho e que tem sido crítico da atual direção, chegou ao Conselho Nacional já depois da intervenção de Rui Rio e não interveio na reunião.

Na sua intervenção inicial, Rui Rio retomou a defesa de que o PSD terá de ganhar votos à abstenção, a que chamou "o maior partido", e não será a "guerrear" à direita e a disputar "um ou dois pontos ao CDS" que poderá vencer eleições.

Uma clara definição do espaço ideológico do PSD e uma maior transparência interna foram outros pontos abordados pelo presidente social-democrata, que reiterou a ideia de que há reformas estruturais que nenhum partido, "nem mesmo com maioria absoluta", poderá fazer.

Aos críticos internos, Rui Rio fez apenas uma breve referência no final do seu discurso, sugerindo que a estratégia da direção passaria com mais eficácia se todos estiverem mais 'alinhados'.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.