Freitas, Balsemão, Alegre e Louçã juntos contra Bolsonaro

Intelectuais de vários quadrantes assinaram em conjunto uma carta em que apelam à derrota do candidato de extrema-direita, Jair Bolsonaro, na segunda volta das eleições presidenciais no Brasil.

Eduardo Lourenço, Freitas do Amaral, Francisco Louçã, Pinto Balsemão, Pepetela, Ricardo Araújo Pereira, Pacheco Pereira, Manuel Alegre são algumas das personalidades que se juntaram para subscrever uma carta em que apelam à derrota do candidato do Partido Social Liberal, Jair Bolsonaro, na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras.

Segundo o Público, estes são apenas alguns dos nomes de uma vasta lista de intelectuais, escritores, músicos, políticos, académicos, pessoas de vários quadrantes políticos que assinam uma texto conjunto em que dizem: "Dentro de dias realiza-se no Brasil a segunda volta das eleições presidenciais, em que se apresenta um candidato, Jair Bolsonaro, que promove o elogio da tortura e da ditadura, que propõe a discriminação das mulheres e o desprezo pelos pobres, representando uma cultura de ódio".

A declaração, que dá pelo título "solidariedade com a democracia e os democratas no Brasil", acrescenta ainda: "Contra ele, quem assina este apelo manifesta a sua solidariedade com a democracia e com os direitos sociais do povo brasileiro. Temos consciência de que vivemos tempos de ameaças sinistras e riscos de regressões civilizacionais. É por isso mesmo que valorizamos o campo da liberdade e da igualdade e apelamos à derrota de Bolsonaro".

A carta é assinado por personalidades ligadas a movimentos sociais, à academia, à política, rostos do BE, do PCP, do PS, do PSD. Exemplos: Ana Catarina Mendes, Ana Gomes, António Filipe, Carlos Coelho, Francisco Assis, Isabel Moreira, Marisa Matias, Teresa Leal Coelho, João Cravinho, Maria do Rosário Gama, Vasco Lourenço, André Freire, Fernando Rosas, Manuel Carvalho da Silva, Manuel Loff, Ricardo Paes Mamede.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.