Ex-ministro de Passos coloca a Rio três desafios

Miguel Poiares Maduro diz que, após ver a liderança consolidada, Rui Rio tem de "clarificar perante o país o seu projeto político". E lança-lhe três desafios.

Miguel Poiares Maduro escreve no Jornal de Notícias que o líder do PSD, ultrapassada a crise interna, tem de começar a concentrar-se em dar a conhecer ao país o que defende.

O antigo ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional do governo de Pedro Passos Coelho, destaca três desafios que Rui rio enfrenta. Primeiro, o de demonstrar que "Portugal atrasou-se". Ou seja, que "nestes últimos anos fomos ultrapassados por outros países europeus na riqueza que produzimos e no poder de compra dos portugueses" e que "as nossas contas externas estão a regressar a um desequilíbrio perigoso".

Rio deve, diz Poiares Maduro, assumir uma proposta política diferenciadora, que nos permita ultrapassar os outros em vez de sermos ultrapassados". Poiares Maduro considera que as proposta do Conselho de Estratégia Nacional têm de ser encaixadas "numa visão política global para o país".

A postura em relação ao PS é outro dos desafios lançados pelo antigo ministro. Uma eventual aproximação política aos socialistas seria mau para o PSD e para o país porque "conduziria a uma mexicanização e reduziria as alternativas políticas ao radicalismo". Miguel Poiares Maduro defende que Rio pode esclarecer esta questão e que "não pode ficar refém dos compromissos que não sejam assentes em princípios mas apenas em oportunismo". O líder, reforça, "deve usar o capital político que ganhou com esta disponibilidade para expor esse oportunismo".

No último desafio, o antigo ministro afirma que mais do que tentar recuperar o eleitorado tradicional que se perdeu, o PSD deve apostar em conquistar "a enorme parcela de eleitorado que não vota", e entre este os jovens.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.