Europeias: Ricardo Arroja é o cabeça-de-lista do partido Iniciativa Liberal

O cabeça-de-lista, com 40 anos, defende que o setor privado deve "assumir o papel principal na economia" enquanto o Estado deve ter um papel subsidiário. E é "contra nacionalismos e radicalismos".

Economista, professor universitário e comentador televisivo, Ricardo Arroja é a aposta para as eleições europeias do partido Iniciativa Liberal, criado em 2017. O objetivo do candidato é promover o debate público em torno de "uma alternativa de governação em Portugal".

"Tendo em conta que os partidos do bloco central têm governado o país em quase monopólio há 40 anos e a corrupção e o clientelismo entre a política, os negócios e o Estado são, infelizmente, a norma, entendo que é a altura certa para participar num debate de ideias que permitam inverter este estado de coisas", explica Arroja.

O economista defende que o setor privado deve "assumir o papel principal na economia" enquanto o Estado deve ter um papel subsidiário. E deu um exemplo: "O Estado foi vendido [aos portugueses] como a solução para o desenvolvimento do país, mas a verdade é que os serviços públicos estão cada vez piores."

Se for eleito eurodeputado, acrescentou, o Iniciativa Liberal integrará o grupo dos liberais no Parlamento Europeu (Alde).

O candidato assegurou ainda que o partido é contra radicalismos e nacionalismos, como os que estão a emergir em alguns países europeus. "Os radicalismos, sejam eles de esquerda ou de direita, devem ser todos evitados e, portanto, a Iniciativa Liberal é contrária a quaisquer radicalismos e nacionalismos", declara.

A Iniciativa Liberal é "favorável a políticas inclusivas, políticas que promovam a cooperação entre os países, políticas que promovam o livre comércio, que é precisamente o espírito da União Europeia e que assim deve permanecer no futuro (...), e rejeita e afasta-se desse tipo de radicalismos económicos e políticos", conclui o candidato.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.