Marisa Matias diz que Bruxelas prepara "um assalto" às pensões

A candidata às eleições europeias pelo Bloco de Esquerda disse que Bruxelas quer reduzir a Segurança Social "a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria".

A cabeça de lista do BE às eleições europeias de 26 de maio, Marisa Matias, alertou este domingo, num almoço/comício no Funchal, que Bruxelas "está a preparar um assalto às pensões" para recuperar o sistema financeiro.

"Há um tema que não tem sido falado", disse a candidata, alertando que "a União Europeia está mesmo a preparar um assalto às pensões", através de um PPR europeu, "um negócio à medida do mercado de capitais", para aliviar "a pressão sobre os fundos públicos" e "recuperar o sistema financeiro".

Marisa Matias disse que o BE e os pensionistas não querem os descontos "nas mãos do sistema financeiro" e que a União Europeia "quer é atacar" os sistemas públicos da Segurança Social e das pensões.

"O objetivo de Bruxelas é recuperar o sistema financeiro à custa das pensões e por isso inventa uma desculpa da falta de poupanças", salientando que Bruxelas quer reduzir a Segurança Social "a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria".

Por isso, Marisa Matias lançou uma pergunta aos cerca de 400 participantes no almoço/comício que decorreu na praça do peixe do Mercado dos Lavradores no Funchal: "Querem mesmo ver as vossas pensões nas mãos de banqueiros como Joe Berardo, Ricardo Salgado ou Armando Vara?"

A cabeça de lista do BE, depois de salientar que o bloco central europeu onde estão o PS, PSD e o CDS/PP estão do lado do sistema financeiro, apelou aos militantes para não faltarem ao voto no dia 26 de maio "para defender as pensões que merecem".

O candidato pela Madeira do BE Rui Ferrão defendeu a necessidade da Madeira, enquanto região ultraperiférica, ter um representante no Parlamento Europeu.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.