É fácil saber onde deve votar e já não é preciso cartão de eleitor

Pela internet ou por SMS, qualquer cidadão pode obter rapidamente a informação da mesa de voto a que se deve dirigir nestas eleições para o Parlamento Europeu.

Não há grandes desculpas para não votar. Se não sabe a que mesa de voto deve dirigir-se para exercer o direito de voto e participar na escolha dos deputados portugueses que irão ter um mandato no Parlamento Europeu, é fácil obter essa informação.

A forma mais simples é entrar no site do recenseamento eleitoral (www.recenseamento.mai.gov.pt), dirigido pela secretaria-geral do Ministério da Administração Interna (MAI), e encontra um motor de pesquisa. Basta digitar o nome e a data de nascimento, ou em alternativa o número do cartão do cidadão e a data de nascimento, e obtém de imediato a informação sobre o local de voto, a morada e o número da mesa a que se deve dirigir.

A ligação na internet para encontrar a sua mesa de voto é esta: https://www.recenseamento.mai.gov.pt/nome.html

Um outro método disponibilizado é através de um pedido de informação por SMS. Deve ligar para 3838 (serviço gratuito), com mensagem "RE (espaço) número CC ou BI (espaço) data de nascimento (AAAAMMDD) -- ano mês dia, tudo junto", e receberá a informação que pretende. Até sexta-feira, cerca de 1,7 milhões de eleitores já tinha recorrido ao serviço de SMS gratuito 3838 para confirmarem o seu local de voto nas eleições para o Parlamento Europeu.

O MAI acrescenta que os eleitores podem ainda recorrer à aplicação MAI Mobile (na área "Saiba onde irá votar") ou à junta de freguesia.

Como o número de eleitor foi eliminado, também já não há necessidade de apresentar o cartão de eleitor. O MAI explica que "com a eliminação do número de eleitor, os cadernos eleitorais estão agora organizados por ordem alfabética e basta a apresentação, no momento da votação, do documento de identificação civil (cartão de cidadão (CC), bilhete de identidade (BI) ou outro documento oficial de identificação civil)".

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.