Deficientes das FA indignados com falta de respostas do Governo sobre "stress de guerra"

A Associação dos Deficientes das Forças Armadas está indignada com o Governo que apesar das promessas "nada fez" para alterar a legislação que encara o "stress de guerra" como uma doença profissional.

"A nós não nos pode acontecer o mesmo que aconteceu aos combatentes da Grande Guerra (1914-1918) que terminaram as suas vidas ostracizados, abandonados e morrendo pelos asilos do país. Foram eles, deficientes da Grande Guerra, que nós encontramos quando chegámos da Guerra Colonial. Nós não vamos permitir o mesmo", disse à Lusa o presidente da Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA), coronel Manuel Lopes Dias.

A associação que assinalou em maio 45 anos de existência tem mais de 13 mil associados e alerta que está a aumentar o número de casos de stress pós traumático de guerra entre os ex-militares que cumpriram o Serviço Militar Obrigatório durante a Guerra Colonial (1961-1975).

A ADFA indica que, entre os associados, existem entre 150 e 170 casos de requerentes de stress pós-traumático de guerra, mas a legislação aprovada no ano 2000 (decreto-lei 503) considera que são vítimas de uma doença profissional.

"É injusto e vergonhoso aplicar o decreto-lei 503 aos militares do Serviço Militar Obrigatório que serviram na Guerra Colonial. Muito combatentes vieram da guerra afetados psicologicamente e recorreram por moto próprio a apoios psiquiátricos e lá foram fazendo a sua vida, mas agora muitos deles decidiram requerer a qualificação de deficiente militar porque estão doentes com 'stress de guerra'", sublinha o presidente da ADFA.

O coronel Manuel Lopes Dias refere que o stress pós-traumático foi reconhecido pelas entidades militares, mas na prática os doentes não são vistos como combatentes em campanha.

"Dizem-lhes que essa doença da guerra é agora uma doença profissional. Ficam com uma indemnização de 50 euros por mês. Isto é uma vergonha", critica.

"Estas pessoas estão altamente indignadas e nós também. Muitas vezes até já nem é o dinheiro porque eles já fizeram parte da sua vida, estão hoje com 70 anos, mas é o não reconhecimento pelo sacrifício que lhes foi exigido na sua juventude. Foram para a guerra obrigados", frisa.

Ao longo dos últimos anos, a associação tem mantido contactos institucionais com o poder político, incluindo o Presidente da República que, segundo a ADFA, considerou que a solução para o problema só poderia ser alcançada através de uma "alteração legislativa".

"Foi o que nós fizemos. Mas, entretanto, isto vai-se arrastando e nada", queixa-se o coronel Manuel Lopes Dias lamentando a falta de respostas à "proposta legislativa" apresentada ao executivo do Partido Socialista. "Os contactos foram estabelecidos e não aconteceu nada e a legislatura está a acabar. A secretária de Estado da Defesa Nacional, na última reunião disse que está a par da situação, mas que não foi possível avançar", disse garantindo que a associação vai continuar a lutar.

"Nós viemos defraudados da reunião, mas dissemos que não íamos deitar a toalha ao chão. Isto vai ser a nossa bandeira porque é uma vergonha", afirmou acrescentando "que parece que o Estado" está à espera do desaparecimento dos ex-combatentes da Guerra Colonial. "O Estado está a tentar que a 'situação biológica' resolva estes problemas. Neste momento a nossa idade média é de 72 anos", conclui.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.