David Justino defende que "não é óbvio" que Rui Rio decida recandidatar-se

O vice-presidente do PSD garantiu, à TSF, que só quando acalmarem as críticas internas é que o líder do PSD irá anunciar a sua decisão.

David Justino, vice-presidente do PSD, defendeu esta quarta-feira que "não é óbvio" que Rui Rio decida recandidatar-se à liderança do partido, assinalando que este só anunciará a decisão quando acalmarem as críticas internas.

"Acho que o doutor Rui Rio, como já é reconhecido e característico da sua forma de atuar, não vai expressar-se quando existe este coro autêntico de apresentação de candidaturas, de críticas, de ataques, etc. Enquanto isto durar com certeza que ele não vai apresentar [a decisão quanto à recandidatura à liderança do PSD]. Quando ele entender que tem a sua decisão tomada, ele anunciará. Não há tabu nenhum", salientou David Justino no programa da rádio TSF, Almoços Grátis.

Questionado se o partido continua maioritariamente com Rui Rio, o vice-presidente social-democrata respondeu afirmativamente e sustentou que há condições para dar continuidade ao projeto que o atual presidente pôs em marcha há mais de ano e meio. "Eu continuo a pensar que sim e, acima de tudo, continua a ser pertinente a estratégia e a opção que foi feita há um ano e meio", disse Justino no programa da TSF em que debate com o presidente do PS, Carlos César.

A contestação interna à liderança de Rui Rio subiu de tom após os 27,9% de votos alcançados nas legislativas de domingo passado, tendo o ex-ministro e ex-dirigente Miguel Relvas considerado que "o PSD não pode ser um partido de serviços mínimos".

Em sentido contrário, pronunciou-se o histórico dirigente social-democrata e ex-ministro Ângelo Correia, para quem Rio deveria anunciar até ao fim desta semana a recandidatura. Também as distritais do PSD estão a tomar posição, umas a favor da continuidade de Rui Rio e outras contra.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.