Costa considera que o seu Governo cumpriu "tudo, tudo, tudo" aquilo que prometeu

"Felizmente, virou-se a página da austeridade e cá estamos na zona euro com muito orgulho - e hoje até nos apontam como um bom exemplo da política a seguir", advogou o primeiro-ministro.

O secretário-geral do PS defendeu esta sexta-feira que o seu Governo, na presente legislatura, no que toca aos principais compromissos, cumpriu "tudo, tudo, tudo" e, partir de agora, o grau de exigência e a responsabilidade serão ainda maiores.

António Costa falava perante centenas de militantes socialistas de Odivelas, numa sessão de esclarecimento sobre o estado da nação e que foi aberta com uma curta intervenção do presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS e secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro.

"Se nós olharmos medida a medida do programa do Governo, medida a medida dos compromissos que assumimos com os nossos parceiros parlamentares (Bloco, PCP e PEV), medida a medida dos compromissos que assumimos com a União Europeia, nós cumprimos exatamente tudo, tudo, tudo", sustentou o líder socialista.

Segundo o secretário-geral do PS, "ao contrário do que diziam, não foi necessário ter de escolher entre estar na zona euro e virar a página da austeridade".

"Felizmente, virou-se a página da austeridade e cá estamos na zona euro com muito orgulho - e hoje até nos apontam como um bom exemplo da política a seguir", advogou, recebendo então uma salva de palmas da plateia.

A seguir, no entanto, António Costa pronunciou-se sobre aquilo que considera serem as consequências a prazo da atual governação, designadamente no que respeita à próxima legislatura.

"Só aumenta a responsabilidade daquilo que temos para fazer. É preciso termos bem a consciência de que, se é verdade que crescemos ao longo destes quatro anos, temos de crescer bastante mais durante muito mais anos para o país se aproximar cada vez mais dos países mais desenvolvidos da União Europeia", disse.

Neste contexto, António Costa falou depois dos problemas das desigualdades e das dificuldades que estão colocadas às mais novas gerações.

"Se temos hoje mais e melhor emprego, temos de continuar a melhorar significativamente o emprego. Se nós não queremos perder esta nova geração que é mais qualificada, mais bem preparada e que pode contribuir decisivamente para o futuro do país, temos de possuir uma economia e empresas que paguem níveis salariais bastantes superiores àqueles que hoje são praticados, caso contrário não conseguiremos competir com a atratividade de outros países. Sei que houve outros que mandaram os mais jovens emigrar, mas temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que não tenham de emigrar", acentuou.

Na questão das desigualdades, o secretário-geral do PS considerou que "são ainda imensas", apesar de indicadores que apontam para uma redução da pobreza em Portugal.

"Ainda há centenas de milhares de famílias que estão na pobreza e nós não nos podemos conformar. Temos de prosseguir este combate. Se temos boas razões para estarmos orgulhosos do que fizemos, só podemos assumir isso como uma enorme responsabilidade de fazermos mais e melhor. Essa é a grande exigência que temos de nos impor a nós próprios: Fazer mais e melhor nos próximos quatro anos", defendeu.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro falou também de recentes problemas que têm gerado muitos protestos entre os cidadãos, como o tempo de espera para a renovação do cartão do cidadão, o encerramento dos serviços de urgência das maternidades em Lisboa no período de Verão por falta de pessoal, ou as carências da CP e da Transtejo.

"O que se pede a um Governo quando há problemas é que os resolva. E há problemas", reconheceu.

No caso do cartão do cidadão, António Costa disse que foram alargados os pontos em que se pode requerer a sua renovação, ao mesmo tempo que passou a ser possível a renovação via 'online' e sem necessidade de se atualizarem com periodicidade curta os dados biométricos de cada pessoa.

"Só entre maio e julho, na sequência destas medidas, aumentou a produção de cartões de cidadãos de 250 mil para 305 mil. Temos vindo a conseguir melhorar os níveis de resposta e vamos resolver o problema", considerou.

Já quanto ao Serviço Nacional de Saúde, o primeiro-ministro referiu-se ao caso mais polémico dos meios existentes nas maternidades de Lisboa e voltou a assegurar que "nenhuma urgência será fechada, todas vão funcionar e vai existir capacidade para responder".

No que respeita aos comboios da CP e aos barcos da Transtejo, António Costa advertiu que "há problemas que levam mais tempo a resolver", numa alusão à morosidade dos concursos públicos.

"Lançámos o concurso para comprar 22 novas composições, mas o processo leva quatro anos. Encomendámos 10 novos navios para a Transtejo, mas vamos ter de esperar o tempo necessário para que os navios possam chegar. Agora há uma coisa que é certa: É que nem os comboios nem os navios chegariam se continuássemos a desinvestir nos transportes públicos", concluiu.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.