Caso das viagens: Ex-secretários de Estado vão pagar multa

Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira foram ver jogos do Euro 2016, a França, a convite da Galp. Demitiram-se do Governo e agora vão pagar as multas mais altas impostas pelo Ministério Público, que investigou este caso

A notícia é avançada pelo jornal i, que garante estar prestes a terminar um dos casos de ética que abalou o atual Governo. Os três ex-secretários de Estado que foram ver jogos da seleção portuguesa de futebol, a França, a convite da Galp, terão de pagar as multas mais altas deste processo, que o Ministério Público (MP) fixou entre os 600 e os 4500 euros.

Com isto, o MP decreta a "suspensão provisória do processo", que só será arquivado depois do pagamento da multa e de um período de interregno durante o qual os ex-secretários de Estado não podem reincidir em qualquer tipo de "recebimentos indevidos". Se essas condições forem cumpridas, não haverá julgamento.

O caso remonta ao campeonato da Europa de futebol, ganho pela seleção portuguesa. Os três ex-governantes aceitaram os convites que lhes foram feitos pela Galp, patrocinadora da seleção, para viajar e assistir aos jogos gratuitamente.

Quando o caso foi conhecido, António Costa considerou que seria suficiente a restituição à Galp do valor da oferta. Tentando manter os seus secretários de Estado em funções, apesar da polémica, o primeiro-ministro lançou um "código de conduta" para regular a relação dos governantes com ofertas deste tipo. Foi aprovado, em setembro de 2016, que os membros do Governo "devem recusar liminarmente quaisquer ofertas, convites ou outras facilidades que possam ser fornecidas na expectativa de troca de uma qualquer contrapartida ou favorecimento". Passaram a ser também proibidas prendas com valor acima dos 150 euros.

Mas o assunto não acabou assim. O Presidente da República deixou bem claro que, na sua opinião, "tudo o que possa permitir uma suspeição do relacionamento entre poder económico e poder político não é bom".

Neste caso havia um ponto importante: Fernando Rocha Andrade, que ocupava a importante pasta dos Assuntos Fiscais, tinha que ajudar a decidir um diferendo entre a Galp e o Estado no valor de 100 milhões de euros em impostos.

Os três membros do Governo acabaram por se demitir, em julho de 2017 e pediram ao MP para os constituir arguidos no processo em curso. Segundo o jornal i, esse processo chegou agora ao fim, condenando Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira ao pagamento de multas próximas de 4500 euros (além da devolução, que já fizeram, do valor financeiro da oferta).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.