Bloco de Esquerda quer ouvir Aguiar Branco sobre Tancos

O Bloco de Esquerda quer ouvir o antigo ministro da Defesa José Pedro Aguiar Branco (PSD) no âmbito da comissão parlamentar de inquérito sobre Tancos. Além do antigo ministro social-democrata, o Bloco quer ouvir duas dezenas de pessoas, incluindo o ex-ministro Azeredo Lopes.

Num requerimento enviado ao presidente da comissão parlamentar de inquérito sobre Tancos o deputado João Vasconcelos solicita ainda que seja pedido à comissão parlamentar de Defesa o envio dos documentos "na posse desta Comissão relativos ao 'assunto Tancos', a fim de serem consultados no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto de material militar ocorrido em Tancos".

João Vasconcelos acrescenta no documento enviado ao deputado Filipe Neto Brandão (presidente da comissão) os nomes das pessoas que o Bloco quer ouvir. São eles: José Alberto Azeredo Lopes (ex-ministro da Defesa); José Pedro Aguiar-Branco (ex-ministro da Defesa); General Rovisco Duarte (ex-CEME); General Pina Monteiro (ex-CEMGFA); Paulo Almeida (comandante do Regimento de Engenharia - Tancos); Ferreira Duarte (comandante do Regimento de Infantaria 15 - Tomar); Teixeira Correia (comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida); Hilário Peixeiro (comandante do Regimento de Paraquedistas); Amorim Ribeiro (comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército); Tenente-general Antunes Calçada; Tenente-general António Menezes (ex-Comandante das Forças Terrestres); Coronel Luís Vieira (ex-Diretor-geral da PJM); Major Vasco Brazão (ex-porta-voz da PJM); Major-general Martins Pereira (ex-chefe de gabinete do ministro da Defesa); Bruno Ataíde, sargento Lima Santos, sargento José Carlos Costa, (os três militares na GNR de Loulé); Mário Lage de Carvalho (militar da GNR em serviço na PJM no Porto); Major Roberto Pinto da Costa (PJM do Porto); Coronel Manuel Estalagem (líder da investigação criminal da PJM); Tenente Coronel António Mota (presidente da AOFA); Mário Ramos (presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS); Luís Reis (presidente da Associação de Praças).

A comissão parlamentar vai tentar as eventuais responsabilidades políticas e não só relacionadas com o furto de material de guerra nos paois da base militar de Tancos conhecido em 29 de junho de 2017.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG