Susan Sarandon sobre Woody Allen: "Abusou sexualmente de uma criança"

A atriz avisou que não tinha nada de bom a dizer sobre o cineasta

O festival de Cannes não está a correr bem a Woody Allen e o cinema nem tem nada a ver com o assunto. O que está em causa é uma acusação de abuso sexual por parte da filha adotiva, Dylan Farrow. A história já é antiga, mas voltou agora a ganhar destaque, por causa de uma piada do anfitrião da cerimónia de abertura e por causa de uma crónica do filho do realizador. A machadada final foi dada, ontem, por Susan Sarandon.

Num debate sobre o papel das mulheres no cinema, em que também participou a atriz Gena Devis, sua parceira em Thelma & Louise, que está a comemorar 25 anos, Susan Sarandon foi questionada acerca de Woody Allen e do fato de este ter afirmado que não tinha material suficiente para fazer um filme sobre uma mulher que se apaixona por um homem mais novo. "Não tenho nada de bom a dizer sobre Woody Allen, portanto acho que não devemos ir por aí", começou a atriz.

Pressionada pelos jornalistas, Susan Sarandon lá disse o que tinha a dizer. "Acho que ele abusou sexualmente de uma criança".

A atriz referia-se às alegações de Dylan Farrow, filha adotiva do cineasta e da atriz Mia Farrow, que, há dois anos denunciou, numa carta aberta publicada no The New York Times, os alegados abusos sexuais que sofreu aos sete anos por parte do cineasta.

O caso foi divulgado em 1993, mas Woody Allen sempre negou as acusações e nunca chegou sequer a ser julgado. Após a divulgação desta carta aberta, o realizador voltou a negar ter abusado da filha, classificando as acusações como "falsas e vergonhosas". Depois, publicou ele próprio uma resposta no mesmo jornal.

Só que o assunto voltou à ribalta à boleia do protagonismo de Woody Allen no Festival de Cannes, que abriu precisamente, na quarta-feira passada, com o seu mais recente filme, Café Society. Nesse dia, o filho Ronan escreveu um artigo publicado no The Hollywood Reporter, no qual ataca de novo o pai pelos alegados abusos à irmã, admite que nem sempre a apoiou e critica a comunicação social por não fazer "perguntas difíceis".

Como se não bastasse, na cerimónia de abertura do evento, o anfitrião fez uma piada relacionada com o tema. "É muito bom que faça tantos filmes na Europa, mesmo que não esteja a ser acusado de violação nos Estados Unidos", afirmou Laurent Lafitte fazendo a comparação a Roman Polanski.

Allen garantiu não ter ficado ofendido e que não é uma pessoa de julgar ou censurar piadas. "Também faço humor e acho que devem ser livres de fazer as piadas que quiserem", afirmou, citado pelo Vulture.

Sobre as declarações do filho, afirmou não as ter lido.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.