Retirada acusação de conspiração de assassínio a baterista dos AC/DC

O tribunal considerou que não havia provas suficientes de que Phil Rudd tentara contratar alguém para matar dois indivíduos. Mas o músico ainda enfrenta as outras acusações.

Cerca de 24 horas depois de ter comparecido em tribunal, na Nova Zelândia, acusado de tentativa de "procurar" um assassino e ameaças de morte, bem como pela posse de droga, o baterista dos AC/DC livrou-se de uma das acusações.

O tribunal teve um entendimento diferente do da polícia e considerou que não há indícios para manter a acusação de conspiração de assassínio. No entanto, Phil Rudd continua acusado de posse de droga, nomeadamente de metanfetamina e cannabis, e de proferir ameaças de morte, pelo que ainda incorre numa pena de 7 anos de prisão.

As acusações contra o músico aconteceram na sequência de uma rusga à sua casa, frente à praia de Tauranga, uma cidade costeira da Nova Zelândia, após uma denúncia. Phil Rudd foi presente a tribunal e a notícia correu mundo.

Agora, o advogado, Paul Mabey, diz que o baterista sofreu "danos incalculáveis" e que planeia pedir uma indemnização.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG