Príncipe Harry faz expedição com 35 graus negativos

O príncipe Harry chegou hoje ao Polo Sul depois de uma expedição que durou três semanas e que percorreu 320 quilómetros sob um frio intenso.

Quarto na linha de sucessão ao trono britânico, Harry fez esta viagem na companhia de um grupo de soldados com deficiência física. Organizada pela Walking With the Wounded, a expedição tinha fins solidários e chegou hoje, sexta-feira, dia 13, ao fim.

"O que dá azar a uns dá sorte a outros", disse, ainda antes da iniciativa, o príncipe, 29 anos, que chegou ao destino com uma grande barba ruiva. Harry afirmou agora que estavam todos um pouco cansados mas que tinham encontrado o seu ritmo.

A expedição percorreu 320 quilómetros e durou três semanas (numa média de 14,19 quilómetros por dia), ao longo das quais o grupo ultrapassou temperaturas de 35 graus abaixo de zero e ventos de quase 80 quilómetros/hora, tendo de puxar trenós com 70 quilos de carga.

Inicialmente esta iniciativa foi concebida como uma corrida entre equipas do Reino Unido, Estados Unidos e Commonwalth, mas a competição foi esquecida devido ao cansaço de muitos dos participantes, antigos soldados feridos em combate.

"Sabíamos que não seria fácil, mas foi o que tonou este desafio tão excitante", afirmou o fundador da Walking With the Wounded, Ed Parker.

Em 2011, o príncipe Harry já havia estado envolvido numa expedição ao Polo Norte, mas teve de a interromper devido ao casamento do irmão, William, com Kate Middleton.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.