Portman ganhou três vezes menos que Kutcher pelo mesmo filme. E não se queixou

A atriz explica porque não lhe ocorreu contestar o salário: "Não fiquei tão indignada quanto deveria ter ficado"

Natalie Portman e Ashton Kutcher eram as duas estrelas do filme Sexo Sem Compromisso e Portman até estava nomeada para um Óscar, que viria a vencer, quando a película estreou. No entanto, Kutcher ganhou três vezes mais do que ela, conta agora a atriz.

Numa entrevista à Marie Claire britânica, Portman explica que na altura, em 2010, não se queixou da diferença. "Não fiquei tão indignada quanto deveria ter ficado", disse a atriz, explicando que como atores são tão bem pagos que achou difícil queixar-se. No entanto, "a disparidade é de loucos", reconhece a atriz de 35 anos.

Portman explica que é uma prática corrente em Hollywood pagar a um ator em linha com o que ganharam nos projetos anteriores e que Kutcher já ganhava mais do que ela.

Também Jennifer Lawrence admitiu, há dois anos, que quando descobriu que ganhava muito menos do que os seus colegas do sexo masculino teve dificuldade em queixar-se. "Não queria lutar por milhões de dólares, que, para ser sincera, não precisava", escreveu num ensaio na newsletter da colega Lena Dunham. No entanto, confessou que ficou irritada consigo própria por não ter negociado melhor o salário.

Portman é mais uma atriz a sublinhar a disparidade de salários entre atores a atrizes em Hollywood, mesmo em filmes em que ambos são protagonistas. Gillian Anderson, por exemplo, revelou recentemente que lhe ofereceram metade do valor pago de David Duchovny nos Ficheiros Secretos. Portman disse ainda que em Hollywood é comum as mulheres ganharem cerca de 30% do que ganham os homens, uma disparidade superior à de outras áreas profissionais.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.